Enciclopédia do Cultivador, Iluminação no Cultivo Indoor

Guia de Iluminação para Cultivo Indoor: tudo sobre Quantum Board

Introdução ao Cultivo Indoor com LED

O cultivo de maconha exige uma compreensão profunda de diversos fatores que podem influenciar seu crescimento e desenvolvimento. Entre esses fatores, a iluminação desempenha um papel crucial, já que ela representa um dos três principais componentes da fotossíntese, junto com acesso a água e uma atmosfera com dióxido de carbono (CO2). Quando se fala de iluminação para cultivo indoor, estamos falando de fontes de luz que sejam potentes o suficiente para sustentar a fotossíntese da planta desde semente até a hora da colheita, tudo dentro de um ambiente fechado, como uma sala, quarto ou estufa. Neste guia, vamos explorar em detalhes uma das tecnologias de iluminação mais avançadas e eficientes disponíveis no mercado: a Quantum Board.

Vamos compará-la com outras tecnologias, como COB, lâmpadas HPS, LEDs Roxos e Lâmpadas Fluorescentes,  mergulhando profundamente nos fatores que devem ser considerados ao avaliar esse equipamento profissionalmente.

Se você é um cultivador experiente procurando otimizar seu processo de cultivo ou um iniciante buscando entender as complexidades do grow de cannabis, este guia é perfeito para você. O texto está dividido em diferentes sessões que, do início ao fim, vão te ajudar a desvendar os mistérios da iluminação no cultivo indoor e fornecer as informações necessárias para tomar decisões informadas e bem-sucedidas em seu cultivo:


O que é uma Quantum Board?

Um painel de LED Quantum Board é uma tecnologia de iluminação especialmente projetada para a horticultura que está redefinindo os padrões de eficiência e desempenho na indústria de cultivo indoor de cannabis.  Uma Quantum Board é composta por três partes principais: a estrutura, normalmente uma placa ou barra de alumínio; o driver de energia; e chips de LED de potência média, como os modelos Samsung LM301H ou Samsung LM301B.

O chip de LED, também chamado de diodo emissor de luz (LED, do inglês “Light Emitting Diode”), é um componente eletrônico semicondutor que emite luz quando a eletricidade passa por ele. Ao contrário das lâmpadas incandescentes ou fluorescentes, os LEDs não usam filamentos ou gases para produzir luz, tornando-os mais eficientes e duradouros. 

Esses chips são pequenos, mas incrivelmente eficientes, fornecendo uma iluminação intensa e uniforme para as plantas. Além disso, esses chips podem alcançar o espectro de luz ideal para cultivo de plantas, expressão conhecida como full-spectrum. O mercado de infraestrutura para cultivo de maconha já reconhece as Quantum Boards como a melhor opção de iluminação, por isso a nossa loja possui painéis de LED como única opção para essa categoria.


O que faz a Quantum Board ser tão Boa para Cultivar Plantas?

Os chips de LED em uma Quantum Board podem alcançar níveis de eficiência energética muito superiores a outras opções de iluminação com tecnologias mais antigas. Esses painéis de LED podem alcançar uma eficiência de 200 lúmens/Watt, mas a eficiência do sistema como um todo varia de 160 a 180 lúmens/Watt devido à necessidade de preservar a vida útil dos painéis, que podem ficar ligados de 12 a 18 horas por dia.

Outro fator importante da Quantum Board é o posicionamento preciso dos chips de LED, que permitem uma distribuição mais uniforme da luz, cobrindo uma área maior. Isso é essencial para o crescimento saudável das plantas, garantindo que todas as partes da do cultivo recebam a quantidade adequada de luz. 

A distribuição uniforme de luz é uma das características que diferenciam as Quantum Boards de outras tecnologias de iluminação, como COBs, lâmpadas HPS ou lâmpadas fluorescentes. Qual das duas opções de iluminação nas imagens abaixo você acha que distribui luz melhor?

Ao contrário dessas tecnologias tradicionais, os painéis de LED Quantum Board, como este modelo de 65W com chip Samsung LM301H, oferecem uma solução mais eficiente e eficaz. A baixa energia consumida, a elevada intensidade luminosa e a capacidade de fornecer o espectro de luz ideal tornam as Quantum Boards a escolha preferida para a maioria dos cultivadores, sejam eles profissionais ou amadores.


De onde surgiu o nome “Quantum Board”? 

A expressão “Quantum Board” foi cunhada pela primeira vez pela empresa americana Horticulture Lighting Group (HLG) para designar as placas de iluminação de LED alimentadas pelos drivers de energia Mean Well exclusivos para horticultura. 

Desde então, esse nome tem sido adotado por diversos fabricantes e cultivadores em todo o mundo, inclusive por nós da Cultlight! Nossa loja tem as melhores opções de iluminação para cultivo indoor, as Quantum Boards com chips Samsung, reconhecidas por sua eficiência energética, alta potência e por alcançarem espectros de luz ideais.

Legenda: O Driver da maior parte dos nossos painéis de LED é feito pela Mean Well.

O que é uma Quantum Bar ou LED Bar?

No mundo do cultivo indoor, a inovação nunca para, e uma das tecnologias que está ganhando destaque é a Quantum Bar ou LED Bar. Mas o que exatamente é essa tecnologia, e por que ela está se tornando uma escolha popular entre os cultivadores profissionais?

Uma Evolução da Quantum Board

A Quantum Bar é essencialmente uma Quantum Board, só que em vez dos chips de iluminação serem distribuídos em um painel (board), eles são distribuídos em uma barra (bar). A ideia de evolução é devido à maior quantidade de chips, que são instalados mais separados por meio de várias barras, promovendo iluminação mais uniforme. É como uma versão ampliada e mais eficiente da já eficaz Quantum Board.

Características e Benefícios

Nosso modelo Quantum Board em barras de 480W é um exemplo perfeito dessa tecnologia em ação. Com 1224 chips Samsung LM301H + 48 OSRAM 660nm, este produto garante uma alta eficiência energética de 2,7 umol/J. Esses modelos geralmente são utilizados por cultivos maiores, comerciais ou profissionais, e são extremamente eficientes! 

Recomenda-se usar este painel para cultivar até 27 plantas de cannabis em ciclo vegetativo e até 15 plantas em ciclo de floração.

Aqui estão algumas das vantagens que tornam a Quantum Bar uma escolha atraente:

  • Uniformidade Máxima: a disposição dos chips garante uma iluminação precisa e uniforme em toda a copa da planta;
  • Grande Área de Cobertura: ideal para proporcionar grandes rendimentos em espaços amplos;
  • Baixa Geração de Calor: menos calor significa menos estresse para as plantas e mais controle sobre o ambiente de cultivo;
  • Design Prático: com recursos inovadores como cabos alongados, driver de energia a 3 m de distância do produto, cabos de aço, dissipador de calor grosso e design inovador que dobra no meio, a Quantum Bar é projetada para facilitar a instalação e o uso;
  • Estrutura grande e robusta: a estrutura das Quantum Bars geralmente ocupam quase todo o espaço do cultivo, maximizando os rendimentos por metro quadrado.

Comparando as Quantum Boards com outras Tecnologias de Iluminação

Quantum Board versus COB

A indústria de iluminação para cultivo indoor tem visto uma evolução constante, com Quantum Boards e COBs (Chip-on-Board) liderando essas inovações. Ambas as tecnologias têm suas vantagens e desvantagens, e a escolha entre elas depende das necessidades específicas do cultivador. Vamos explorar essas duas opções de iluminação, comparando suas semelhanças, diferenças e desempenho geral.

Quantum Boards e COBs compartilham várias semelhanças, sendo a principal delas o princípio de funcionamento: ambas utilizam múltiplos diodos de LED. Mas enquanto, os COBs agrupam esses diodos em um único chip para produzir um feixe de luz potente, as Quantum Boards espaçam os LEDs em uma placa, aumentando a área de distribuição do feixe de luz. Essencialmente, uma Quantum Board é como um COB em grande escala.

Vantagens e Desvantagens

COB: são conhecidos por sua intensidade e penetração luminosa impressionantes. Eles são ótimos para projetos DIY, por serem fáceis de montar e com baixo custo inicial. No entanto, os COBs mais comuns no mercado nacional, como o EPISTAR, que são utilizados devido ao preço baixo, podem ter eficiência de apenas 80 lúmens/Watt, cerca de metade da eficiência das Quantum Boards.

Ou seja, para se igualar a uma Quantum Board de 100W, você precisaria de um COB Epistar de 200W. Nesse sentido, a Quantum Board se torna a opção mais barata devido à economia de energia, mesmo tendo um custo inicial maior.

Mesmo o COB CREE CXB 3590, que alcança até 132 lúmens/Watt, não oferece uma economia financeira significativa para compensar a eficiência reduzida; quase nenhuma economia para falar a verdade. Além disso, os COBs têm problemas com a concentração de calor e a distribuição de luz não tão uniforme, podendo até mesmo queimar as plantas.

Quantum Board: são conhecidas por sua eficiência energética, com alguns modelos alcançando em média 170 lúmens/Watt. Elas oferecem uma distribuição de luz mais uniforme, cobrindo uma área maior e garantindo uma iluminação consistente. Isso maximiza a distribuição e o rendimento, tornando-as uma escolha popular entre cultivadores profissionais e amadores.

No entanto, as Quantum Boards podem ser mais difíceis de montar em projetos DIY (caseiros), e o custo inicial pode ser mais elevado em comparação com os COBs.

Conclusão: Quantum Board ou COB?

Ambas as luzes desempenham seu papel muito bem, mas hoje em dia, a melhor opção é a Quantum Board. Ela espalha melhor a luz, maximizando a distribuição e o rendimento, além de ser muito mais eficiente do que os COBs geralmente utilizados.

A comparação entre Quantum Boards e COBs nem chega a ser justa, considerando a eficiência e a distribuição de luz superior das Quantum Boards. Hoje em dia, nenhum cultivo profissional usa COBs; nós sabemos disso porque vendemos painéis de LED para várias associações de cultivo de cannabis pelo Brasil!

Se você está considerando a iluminação para o seu espaço de cultivo, as Quantum Boards podem ser a solução que você está procurando.


Quantum Board versus HPS

A escolha entre Quantum Board e lâmpada HPS (High Pressure Sodium, ou Sódio de Alta Pressão) é uma consideração crítica para os cultivadores, especialmente no clima quente do Brasil. Ambas as opções têm suas vantagens, mas as diferenças em eficiência, produção de calor e adequação ao ambiente brasileiro tornam uma das opções uma escolha muito melhor. Vamos explorar essas diferenças!

Vantagens e Desvantagens

Lâmpada HPS: As lâmpadas HPS foram uma escolha popular para cultivadores por muitos anos, uma vez que eram uma das únicas opções disponíveis no mercado (e uma das mais baratas também). No entanto, elas têm várias desvantagens, especialmente quando comparadas às Quantum Boards:

  • Eficiência Menor: as HPS oferecem entre 90 a 120 lúmens por watt, com uma média de 105 lúmens por watt, bem abaixo das Quantum Boards;
  • Produção de Calor: as HPS geram muito calor, o que pode ser problemático no clima já quente do Brasil. Isso pode exigir o uso de ar condicionado, aumentando ainda mais os custos de energia;
  • Custo a Longo Prazo: embora possam ser mais baratas inicialmente, as Lâmpadas HPS podem ser mais caras a longo prazo devido ao consumo de energia e à necessidade de resfriamento adicional.

Quantum Board: as Quantum Boards representam a vanguarda da tecnologia de iluminação de cultivo. Elas são conhecidas por sua alta eficiência energética, oferecendo cerca de 170 lúmens por Watt. Algumas de suas vantagens incluem:

  • Alta Eficiência: com 170 lúmens/Watt, as Quantum Boards são extremamente eficientes, convertendo a maior parte da energia consumida em luz útil para as plantas;
  • Menor Produção de Calor: ao contrário das HPS, os painéis de LED geram menos calor, o que é especialmente vantajoso no clima quente do Brasil;
  • Uniformidade de Luz: a distribuição uniforme de diodos LED nas Quantum Boards garante uma iluminação consistente, promovendo crescimento saudável;
  • Economia de Energia: a eficiência superior das Quantum Boards resulta em economia significativa na conta de energia elétrica, compensando o maior valor na hora da compra.

Conclusão: Quantum Board ou HPS?

Para cultivadores no Brasil, onde o clima é tropical, a escolha entre Quantum Board e HPS é clara: as Quantum Boards oferecem eficiência superior, menor produção de calor e economia de energia significativa.

O gráfico abaixo utiliza dados da pesquisa realizada por Cadu Brandão (CEO da Cultlight) na Universidade Federal Fluminense (UFF) para comparar os custos relacionados às duas formas de iluminação para cultivo indoor: Quantum Board e Lâmpada HPS. 

Por volta de 11 meses, os gastos com conta de energia ao utilizar lâmpada de HPS já superam o investimento inicial com uma Quantum Board.

Por volta de 11 meses, os gastos iniciais associados à compra de uma Quantum Board são superados pelo valor dos gastos com energia elétrica gerados ao utilizar a lâmpada HPS. Além disso, o uso de HPS no Brasil, exceto talvez na região Sul, onde as temperaturas podem ser mais baixas, pode levar a custos adicionais com ar condicionado.

Em resumo, as Quantum Boards são a escolha superior para a maioria dos cultivadores no Brasil, oferecendo uma solução mais eficiente, econômica e adequada ao clima do país.


Quantum Board versus LEDs Roxos ou Purple Lights (Burples)

A tecnologia de iluminação para cultivo tem evoluído rapidamente, e duas opções populares são as Quantum Boards e os LEDs roxos, também conhecidos como Purple Lights ou Burples. Ambas opções têm suas características e usos, mas qual é a melhor escolha para o seu cultivo? Vamos explorar as diferenças, vantagens e desvantagens de cada uma.

Vantagens e Desvantagens

LEDs Roxos: os LEDs roxos são uma combinação de luzes vermelhas e azuis, criando uma aparência roxa. Essas opção de iluminação têm sido popular por sua eficácia na promoção da fotossíntese, mas têm várias limitações:

  • Eficiência Mais Baixa: com cerca de 78 lúmens por Watt (1,25 umol/J), as LEDs roxas são significativamente menos eficientes do que as Quantum Boards;
  • Luz Roxa Enganosa: a luz roxa pode enganar a visão, tornando difícil detectar pragas, doenças e outros problemas nas plantas;
  • Crescimento Alongado: o uso excessivo de luz vermelha pode levar as plantas a se desenvolverem de forma alongada e fraca;
  • Ambiente de Trabalho Desagradável: a luz roxa pode criar um ambiente de trabalho irritante e desagradável para os humanos;
  • Propaganda Enganosa: muitos painéis roxos são vendidos com informações enganosas sobre sua potência, levando à flores finas, pouco densas e pouco aromáticas.

Quantum Board: ao comparar as Quantum Boards com as LEDs roxas, a diferença é clara:

  • Eficiência: as Quantum Boards oferecem mais que o dobro da eficiência das LEDs roxas. Com 170 lúmens por watt, as Quantum Boards são altamente eficientes, convertendo a maior parte da energia em luz útil;
  • Qualidade de Luz: a luz branca das Quantum Boards é mais próxima da luz solar natural, promovendo um crescimento mais saudável e robusto;
  • Menos Calor: a eficiência superior das Quantum Boards significa menos calor, o que é benéfico para o controle da temperatura;
  • Visão Clara do Cultivo: permite a visualização correta das plantas, permitindo que o jardineiro observe possíveis deficiências ou problemas no grow. Essa visualização é muito dificultada pelas luzes roxas.

Conclusão: Quantum Board ou LED Roxo?

Os LEDs roxos podem ter sido uma opção popular no passado, mas as Quantum Boards são melhores em todos os aspectos. Recebemos relatos de diversos cultivadores que acabaram se decepcionando com a iluminação de LED ao comprarem um painel de LED Roxo enganoso no Mercado Livre. Imagine quem trocou uma “lâmpada de HPS 1000W” por um “painel de LED Roxo 1000W”, mas que na verdade tem um consumo real de 50W, ou seja, 20x menos potente. Imagine a decepção ao comparar os resultados de uma colheita 20x menor.

Isso não ocorre com nossos produtos de LED. Se você busca eficiência superior, qualidade de luz melhor e menos calor, as Quantum Boards são claramente a melhor escolha para seu cultivo.

Para uma análise mais detalhada e visual, você pode conferir o vídeo do Shane da Migro Lights aqui. São realizados testes e comparações desses dois tipos de iluminação, mostrando a grande ineficiência dos LED Roxos.


Quantum Board versus Lâmpadas Fluorescentes

A comparação entre o uso de Quantum Board e Lâmpadas Fluorescentes é constante no mundo do cultivo de cannabis. Apesar de não serem projetadas especificamente para horticultura, que nem as Quantum Boards, as Lâmpadas Fluorescentes ainda possuem utilidade na vida de um grower.

Vantagens e Desvantagens

Lâmpadas Fluorescentes: são uma opção popular para iniciantes ou para aqueles que procuram uma solução barata. Elas são especialmente adequadas para clones ou plantas que não exigem alta intensidade luminosa. Algumas características incluem:

  • Baixo Custo: as fluorescentes são mais baratas, tornando-as uma opção atraente para quem tem orçamento limitado;
  • Menos Calor: essas lâmpadas geram menos calor do que as Quantum Boards, permitindo que sejam colocadas mais perto das plantas sem o risco de queimá-las;
  • Adequadas para Clones e Plantas Pequenas: as lâmpadas fluorescentes são ideais para clones ou plantas pequenas que não exigem alta intensidade luminosa;
  • Eficiência Limitada: com uma eficácia luminosa de 30 a 90 lúmens/W, as lâmpadas fluorescentes são significativamente menos eficientes do que as Quantum Boards.
Estufa montada de forma artesanal.

Quantum Board: comparadas às Lâmpadas Fluorescentes, a diferença fica clara:

  • Eficiência: as Quantum Boards oferecem mais do que o dobro da eficiência das lâmpadas fluorescentes;
  • Intensidade Luminosa: a intensidade luminosa superior das Quantum Boards as torna ideais para o cultivo de cannabis, uma planta de alta intensidade luminosa;
  • Vida Útil: A vida útil das Quantum Boards é até 5 vezes maior, tornando-as uma opção mais durável e confiável.

Conclusão: Quantum Board ou Lâmpada Fluorescente?

Embora as lâmpadas fluorescentes possam ser uma opção adequada para iniciar o cultivo, elas não são ideais para cultivar cannabis durante o Estágio Vegetativo e o Estágio de Floração. A cannabis é uma planta de alta intensidade luminosa: ao cultivar com lâmpadas fluorescentes, é provável que sua planta não cresça muito, tendo um rendimento muito baixo e pouco eficiente. 

Tomemos esse cultivo da imagem como exemplo: são utilizadas 8 lâmpadas de 40W por planta, num total de 240W. Essa grande quantidade de lâmpadas seriam facilmente substituídas por apenas uma Quantum Board de 120W, que consome muito menos energia enquanto emite muito mais luz. 

Por ser mais eficiente, o painel de LED para cultivo sempre vai ganhar a longo prazo na redução dos gastos de energia. Isso sem contar com a eficiência térmica e problemas técnicos quase inexistentes, que tornam a Quantum Board a escolha mais óbvia para qualquer um que pensa em cultivar maconha.


Principais Fatores para Avaliar Painéis de LED ou Quantum Boards

Ao escolher uma Quantum Board para o cultivo de plantas, especialmente cannabis, é essencial avaliar o equipamento de maneira profissional e criteriosa para fazer o melhor investimento possível. A análise completa de uma Quantum Board vai depender dos objetivos do jardineiro, mas existem aspectos principais que devem ser considerados. Neste capítulo, vamos explorar os principais fatores na hora de escolher a Quantum Board ideal para seu cultivo indoor:

Qual é o Chip de LED utilizado?

A primeira pergunta a se fazer sobre a sua Quantum Board é: “Quais CHIPS de LED ela utiliza?”. A qualidade deste componente é, sem dúvida, o fator mais importante a ser considerado na Quantum Board. A Samsung é a marca mais reconhecida pela qualidade na fabricação dos Chips LED SMD para Horticultura.

Chips e Eficiência:

A eficiência é um conceito fundamental na avaliação de Quantum Boards e chips de LED. Mas o que isso significa em termos práticos? A eficiência pode ser entendida como “a quantidade de luz produzida por Watt de energia consumida”. Em outras palavras, um Chip mais eficiente produz mais luz com menos energia.

Vamos explorar isso em termos de Watts, comparando diferentes modelos de chips da Samsung:

  • 100W – Chip LM301H: este é considerado um dos chips mais eficientes para Horticultura, produzindo uma quantidade significativa de luz com 100 Watts de energia;
  • 106W – Chip LM301B: para produzir a mesma quantidade de luz que os 100W do Chip LM301H, você precisaria de 106 Watts de Chip LM301B;
  • 133W – Chip LM281B+: para igualar a luz produzida por 100W de LM301H, seriam necessários 133 Watts de Chip LM281B+;
  • 166W – Chip LM283B: seriam necessários 166 Watts de Chip LM283B para produzir a mesma quantidade de luz que 100W de Chip LM301H.

Essas comparações ilustram como a eficiência afeta o consumo de energia. Um chip mais eficiente permite que você obtenha a mesma quantidade de luz com menos energia. Isso se traduz em economia na conta de luz a longo prazo, mês após mês.

A Importância do Chip Mais Eficiente

O chip mais eficiente sempre resultará em maior colheita e menor custo a longo prazo. A eficiência do chip não é apenas uma questão de economia de energia; é uma questão de otimizar o crescimento e a saúde das plantas: a escolha do chip adequado é, portanto, fundamental para garantir a eficiência e a qualidade da Quantum Board. A análise criteriosa dos chips e a compreensão das especificações técnicas são essenciais para garantir que você esteja investindo em um produto que atenda às suas necessidades de cultivo e economize na conta de energia. A seguir, vamos comparar diversos Chips da Samsung:

Samsung LM301H vs LM301B

A diferença entre os chips LM301H e LM301B é sutil, mas significativa. Ambos apresentam características elétricas e ópticas semelhantes, mas o LM301H possui uma camada anti-enxofre (Anti-sulfur coating), que garante melhor funcionamento no cultivo. A eficácia de luz do Chip LM301H é de 3.1 µmol/J, enquanto o Chip LM301B apresenta 2.92 µmol/J. Testes mostraram uma eficiência maior de quase 5% no LM301H, o que significa que a escolha desse Chip pode levar a resultados otimizados no seu cultivo de cannabis. Clique aqui para ler nossa análise completa desses chips.

Samsung LM301H vs LM281B+

A comparação entre o Chip LM301H e o Chip LM281B+ revela diferenças significativas em eficiência e desempenho. O Chip LM301H é especialmente desenvolvido para horticultura, com características como revestimento anti-enxofre e eficácia de Fótons de 3.1 µmol/J. Em contraste, o Chip LM281B+ é menos eficiente, com uma diferença de até 25% em lúmens. Nesse sentido, a escolha do Chip LM301H pode resultar em maior eficiência energética e melhor desempenho no cultivo. Clique aqui para ler nossa análise completa desses chips.

Em 2022, a Samsung relançou o Chip LM281B+ renomeando agora de LM281B+ Pro. Esse produto tem se mostrado extremamente eficiente e com ótimo custo benefício, sendo agora uma opção muito boa para o cultivo de cannabis, cerca de 12% menos eficiente do que o LM301H.

Samsung LM301H vs LM283B+

A comparação entre os Chips Samsung LM301H e o LM283B+ também mostra diferenças notáveis. Enquanto o Chip LM301H é conhecido por sua alta eficiência e desempenho otimizado para horticultura, o Chip LM283B+ é “ultrapassado”, sendo fabricado para gerações anteriores, menos eficientes. A diferença na eficiência pode ser ainda mais acentuada, cerca de 60% menos eficiente que o Chip LM301H, o que torna o LM301H uma escolha superior para aqueles que buscam o melhor em eficiência e qualidade de cultivo.

Cuidado com Informações Enganosas

É fundamental comprar chips em locais confiáveis, pois a falsificação de chips é muito comum. Os olhos humanos são péssimos para medir a intensidade luminosa de forma correta, e chips falsificados podem facilmente se passar por originais, entregando muito menos luz e gastando muito mais energia. A compra em fornecedores não confiáveis pode levar a resultados inferiores no cultivo e maior custo a longo prazo. Sempre verifique a autenticidade dos produtos e compre de fornecedores reconhecidos no mercado – verifique comentários nas redes sociais e como são as avaliações da empresa no Google.

Chip UV: é efetivo? Vale a pena usar?

A relação entre a luz UV e a cannabis é um tópico controverso e intrigante no mundo do cultivo indoor.. Vamos explorar essa relação, os diferentes tipos de luz UV, as alegações feitas sobre seus efeitos e a eficácia dos chips UV.

A luz Ultravioleta cobre uma faixa de comprimento de onda de 100-400 nanômetros (nm) e é dividida em três categorias:

  • UV-A (315-400nm): comprimentos de onda mais longos.
  • UV-B (280-315nm): comprimentos de onda mais curtos.
  • UV-C (100-280nm): comprimentos de onda mais curtos, absorvidos principalmente pela atmosfera.

Na natureza, as plantas entram em contato principalmente com UV-A e um pouco de UV-B. Muitas pessoas afirmam que a luz UV é necessária para cultivar cannabis de alta qualidade, mas as pesquisas sobre esse tema mostram que os dados são mínimos e inconclusivos. Vamos explorar mais esse assunto!

Por que a Luz UV é considerada necessária?

Quando as plantas entram em contato com a Luz UV, elas produzem respostas a esse estresse com seus mecanismos de proteção, como a produção de compostos secundários, como a antocianina. Isso pode levar a cores mais vibrantes e possivelmente melhor produção de tricomas. No entanto, a ciência indica que os efeitos da Luz UV na cannabis são mínimos: esses resultados também podem ser alcançados com qualquer LED de espectro total no mercado, sem o uso extra da Luz UV.

Alegações sobre Luz UV e cannabis:
  1. Aumento da Produção de THC: algumas cepas mostraram aumentos na produção de THC e canabinoides secundários, mas a ciência ainda não chegou a conclusões definitivas. A introdução de Luz UV como estressor menor mostrou pouca resposta em cultivos exóticos e interiores;
  2. Mais Tricomas e Cabeças Completas: pesquisas recentes estão em seus estágios iniciais, e a evidência concreta ainda é escassa. Algumas histórias anedóticas sugerem melhores retornos na lavagem de haxixe quando UV-A ou UV-B foi introduzido.
Conclusão

Os chips UV não são eficientes, pois não emitem o espectro correto de UV (emitem apenas UV-A) e não têm a potência necessária para desencadear os efeitos reais do UV. Além disso, eles têm uma vida útil baixa de cerca de 600 horas.

Fabricantes renomados como FLUENCE, MIGRO, SCYNCE preferem ter mais corrente elétrica passando pelos chips brancos, que emitem mais luz e são mais eficientes, impactando realmente o cultivo. É com essa lógica que os produtos da Cultlight são produzidos: máximo rendimento com o mínimo de custo.

A aplicação de Luz UV mais eficiente até o momento são as lâmpadas fluorescentes, capazes de emitir um mix de UVA+UVB. Apesar disso, ainda é incerto qual deve ser a intensidade e duração utilizada para aumentar os rendimentos e qualidade da colheita na cannabis.

Chip Vermelho 660nm: é efetivos? Vale a pena usar?

Os painéis da Cultlight utilizam uma proporção específica de Chips Vermelhos 660nm em relação aos Chips Full Spectrum. A seguir, vamos te explicar porque nossos produtos são manufaturados com esses Chips!

Efeitos da Luz Vermelha na cannabis:
  • Morfologia e Crescimento: a Luz Vermelha tem um impacto direto na morfologia da planta de cannabis. Quando esses espectros são baixos, as plantas tendem a crescer mais altas, o que pode resultar em estruturas mais fracas, incapazes de suportar altos rendimentos de flores;
  • Desenvolvimento Melhorado: a adição estratégica de luz vermelha pode aumentar os canabinoides, uma diferença que pode melhorar muito as colheitas e a qualidade das flores e extrações;
  • Chips LED vermelhos 660nm na Horticultura: os chips LED vermelhos são comuns e acessíveis no mercado de horticultura. Muitos fabricantes de LED para horticultura adicionam chips LED vermelhos (660nm) adicionais às suas luminárias, tornando os painéis uma solução otimizada para o cultivo de cannabis. A presença de luz vermelha é benéfica para a fotossíntese, ajudando na eficiência do crescimento da planta e também na floração.
Conclusão:

Os Chips Vermelhos 660NM são uma adição valiosa ao sistema de iluminação em um ambiente de cultivo de cannabis. Eles influenciam a morfologia da planta e podem ser usados para otimizar a fotossíntese. A seleção e implementação cuidadosas desses chips, com base em pesquisa e compreensão das necessidades específicas da planta, pode levar a melhores rendimentos e qualidade no cultivo indoor, tornando-os uma consideração válida para qualquer jardineiro. Recomendamos os chips vermelhos da OSRAM, marca muito reconhecida no mercado.

Chip Infravermelho 730nm: é efetivo? Vale a pena usar?

Quando o tópico é o uso de Luz Infravermelha no cultivo indoor de cannabis, sempre existe polêmica e discussão. A seguir, vamos te explicar porque a maior parte dos painéis de LED do mercado não utilizam Chips Infravermelhos:

Efeitos da Luz Infravermelha (IR) na Cannabis:
  • Efeitos do Infravermelho Distante (FR) na Cannabis: a evidência científica dos benefícios do Infravermelho na cannabis é escassa. Apesar disso, algumas pesquisas demonstram que o Infravermelho distante é usado eficientemente pelas plantas para fotossíntese até comprimentos de onda de 750nm, no que é conhecido como Efeito Emerson. O uso de Chips Infravermelhos pode aumentar a taxa fotossintética líquida e causar expansão celular, levando a folhas maiores e alongamento do caule da planta. Obter folhas maiores e um caule mais comprido nem sempre é um resultado positivo quando se trata de cultivo indoor;
  • Chip Infravermelho 730nm nos Painéis: a maioria dos painéis não trabalha com IR, pois o espectro de cor 3500K já contém cerca de 5% de IR. Adicionar mais IR pode gerar alongamento desnecessário do caule;
  • Uso de Chip Infravermelho em Placa Separada: utilizar Luz IR em uma placa separada, imitando o nascer e pôr do sol, pode engatilhar o efeito Emerson, otimizando a fotossíntese. Essa abordagem permite um controle mais preciso do espectro de luz, sem os riscos associados ao uso de IR diretamente na placa principal;
  • Custo e Benefício: os LEDs de Luz Infravermelha distante são cerca de 30 vezes mais caros por saída de fóton em comparação com os LEDs Brancos, e 3 vezes o custo dos LEDs Vermelhos 660nm. Adicionar Chips Infravermelhos no seu cultivo pode aumentar o preço do dispositivo de iluminação LED, não obtendo em troca benefícios que compensem o valor.
Conclusão

Os Chips Infravermelhos podem ser uma ferramenta útil no cultivo de cannabis quando usados de maneira estratégica. Embora a inclusão direta na placa principal possa não ser necessária e proveitosa, o uso do espectro Infravermelho em uma placa separada para imitar o nascer e pôr do sol pode engatilhar o efeito Emerson, otimizando a fotossíntese, aumentando o rendimento e qualidade das flores.

Sabendo disso tudo, concluímos que adicionar 730nm nas placas de iluminação não é a melhor das escolhas e assim como outros grandes nomes do mercado como Fluence, Migro e Scynce, poucos produtos da Cultlight possuem esses chips nos painéis. Futuramente teremos soluções otimizadas para utilização efetiva do infravermelho no cultivo de maconha.


Qual é o Driver de Energia utilizado?

Garantir corrente elétrica estável para todos os diodos de LED é fundamental para o funcionamento de uma Quantum Board. Por isso, o Driver de Energia é considerado o coração de um painel LED.

Ele é o equipamento responsável por distribuir a energia elétrica pelos Chips de LED. Quanto melhor o Driver, maior a vida útil do Chip de LED e maior a estabilidade do fluxo de luz que eles emanam. A vida útil das Quantum Boards, como as que vendemos em nossa loja, pode chegar a até 50.000 horas (5 anos), muito graças à qualidade dos Drivers utilizados.

Como Funciona um Driver?

O Driver funciona como um conversor de energia, transformando a energia da rede elétrica (tensão alternada) em uma tensão contínua. Ele possibilita o ajuste de tensão e corrente, assegurando a baixa ondulação de saída, com valor máximo de 3% nos Drivers Meanwell.

Importância dos Drivers

  • Grau de Proteção (IP): qualifica a capacidade do equipamento de funcionar adequadamente em ambientes com incidência de agentes agressivos como água e poeira. Os drivers Mean Well apresentam grau de proteção IP67 – o que significa que o aparelho é protegido contra poeira e resistente a um mergulho na água de até 1 metro de profundidade, por 30 minutos;
  • Ripple (qualidade do driver): refere-se a quão planas e exatas são as saídas de tensão e corrente do driver. Baixo ripple contribui para a manutenção do fluxo luminoso e da vida útil do chip.
  • Eficiência do Driver: mede a porção de energia gasta sob a forma de calor durante a operação. Por exemplo, um driver de 120 W com eficiência de 90% drena da rede elétrica uma potência de 133 W.

Marcas de Driver Recomendadas

Nós indicamos a marca Mean Well para os jardineiros que buscam o máximo de qualidade. A Mean Well é a marca de maior credibilidade no mundo quando estamos falando de Drivers de Energia para cultivo indoor, com os melhores componentes, pensados sob medida para uma Quantum Board. Não é atoa que o nome Quantum Board foi originado a partir de painéis de LED que utilizavam esses Drivers. Além da Mean Well, os Drivers da Inventronics e da Fahold também são de alta qualidade.

Modelos de Drivers
  • MeanWell HLG-120H-54B: eficiência de 93,5%, apenas 6,5% de potência desperdiçada;
  • LPN-150N-54E (Juson): ripple de 3%, eficiência de 90%, vida útil de 43800h;
  • Drivers genéricos: menos confiáveis, difíceis de encontrar informações técnicas e com vida útil muito reduzida.

Degradação Temporal dos Drivers

A degradação temporal está atrelada à qualidade do Driver. Usar um Driver de baixa qualidade pode impactar profundamente na intensidade luminosa dos chips, que será reduzida gradativamente ao longo do tempo. A temperatura do Driver, o ponto de operação do Driver, e a comparação entre diferentes Drivers são fatores críticos.

Conclusão sobre Drivers de Energia

Ter o melhor Driver possível para o seu painel é o melhor investimento a longo prazo. Não busque somente o mais barato, pois poupar nesta área do seu investimento pode acabar resultando em prejuízo futuro no seu cultivo. Um bom Driver irá garantir que sua luz brilhe mais e por mais tempo, consumindo menos – por isso a Cultlight utiliza somente Drivers de marcas reconhecidas internacionalmente e com controle de qualidade.


Características do Dissipador de Calor

O Heat Sink, ou Dissipador de Calor, é um elemento essencial na maior parte das Quantum Boards, responsável por controlar o calor gerado pela iluminação, mantendo a temperatura nos valores ideais.

Na Cultlight, entendemos a importância deste componente – por isso, nossos Painéis de LED mais potentes (a partir de 120W) possuem Dissipadores de Calor com características superiores:

  • Altura de 25mm: mais alto do que a média do mercado (geralmente 10mm), permitindo maior capacidade de dissipação passiva de calor;
  • Fabricado em Alumínio Anodizado: um dos melhores materiais para dissipação de calor, garantindo eficiência e durabilidade;
  • Silencioso: dispensa o uso de cooler para a iluminação, tornando o sistema mais discreto;
  • Revestimento com Tratamento Térmico: adiciona proteção e eficiência ao Heat Sink.

A escolha do Heat Sink certo é vital para a eficiência e a vida útil da sua Quantum Board. Na Cultlight, fornecemos soluções de qualidade que atendem às necessidades específicas do cultivo indoor.

Legenda: Dissipadores de calor da Quantum Board 120W.

Importância dos Cabos e Acessórios

Como as Quantum Boards são equipamentos de emissão de luz, elas requerem uma conexão cuidadosa com a rede elétrica através de cabos, passando pelo Driver e chegando aos diodos de LED. A qualidade e a segurança dessas conexões são vitais para o funcionamento adequado e seguro do equipamento.

Na Cultlight, nos preocupamos com esses detalhes e oferecemos soluções personalizadas:

  • Cabeamento de Qualidade: nossos produtos são enviados com cabos de acabamento superior, eliminando riscos para você e o equipamento. Um cabo mal feito pode ser a causa que leva um chip de LED a ficar danificado;
  • Comprimento Adequado: oferecemos cabos com comprimentos variando de 1,8 a 3 metros (80cm para painéis de 65W), proporcionando flexibilidade na montagem do seu sistema. Isso permite até mesmo a instalação do Driver fora da área de cultivo, ajudando a controlar a temperatura do seu jardim;
  • Conectores de Alto Padrão: todos os cabos da Cultlight são equipados com conectores de alta qualidade, prontos para serem plugados em tomadas brasileiras;
  • Material de Qualidade para Pendurar: os painéis são fornecidos com todos os acessórios necessários para uma instalação segura e eficiente.

Investir em cabos e acessórios de qualidade não é apenas uma questão de conveniência: é uma questão de segurança e eficiência. Na Cultlight, garantimos que você receba um produto bem projetado e construído, pronto para atender às suas necessidades de cultivo sem complicações ou riscos desnecessários.


Importância da Garantia e Assistência Técnica

Investir em uma Quantum Board é uma decisão significativa, que envolve planejamento e confiança. Por isso a garantia e assistência técnica são fatores cruciais a serem considerados: assim como você não compraria um carro sem garantia ou suporte técnico, o mesmo deve ser aplicado ao investir em um Painel de LED.

Na Cultlight, entendemos a importância deste investimento e oferecemos os seguintes cuidados com o cliente:

  • Garantia de até 3 anos: nossos modelos de 65W possuem garantia de 1 ano, os modelos de 120W e 240W possuem garantia de 2 anos e os modelos de 320W para cima possuem garantia de 3 anos. Além disso, nosso suporte é integral, ou seja, te ajudaremos com manutenção pra vida toda;
  • Assistência Técnica Competente: oferecemos assistência técnica especializada. Se o produto estiver fora da garantia, cobramos apenas o custo das peças e do serviço. Nossa equipe está pronta para ajudar desde a escolha do equipamento até sua instalação e uso contínuo.
  • Componentes de Qualidade: trabalhamos exclusivamente com Chips originais da marca Samsung, como o LM301H, LM301B, LM281B+PRO e também OSRAM 660nm. Além disso, usamos os Drivers Mean Well da série HLG, a mais eficiente do mercado.
  • Reputação Impecável: a Cultlight não tem uma única avaliação negativa no Google. Oferecemos suporte integral e garantia de até 3 anos. Estamos aqui para ajudar e garantir que seu investimento seja seguro e duradouro.

A compra de uma Quantum Board é um investimento sério em seu jardim e em seu futuro como cultivador. Na Cultlight, nos comprometemos a fornecer produtos de qualidade, suporte técnico especializado e uma garantia sólida para garantir que você tenha a melhor experiência possível.


Uso de Marcas Originais nos Componentes

No mercado atual, infelizmente, é comum encontrar equipamentos que utilizam Chips de LED genéricos ou falsificados, sendo anunciados como Chips Samsung LM301H. Essa prática enganosa pode ser prejudicial para o seu cultivo e para o seu investimento. Portanto, aqui estão algumas orientações para garantir que você está adquirindo um produto genuíno e de qualidade:

  • Pergunte Sobre os Componentes: sempre questione a marca dos componentes, especialmente do Chip de LED e do Driver de Energia. Na Cultlight, trabalhamos apenas com Chips principais originais da marca Samsung e da OSRAM. Além disso, utilizamos o Driver Mean Well série HLG, ideal para cultivo de cannabis;
  • Como Identificar Diodos Falsificados: verifique o tamanho do diodo (chip), a quantidade de chips, a vida útil do produto e o preço. Os diodos genuínos da Samsung têm dimensões específicas, e qualquer variação pode ser um sinal de falsificação. Além disso, produtos genuínos geralmente vêm com garantia e em preços padronizados, enquanto imitadores podem não oferecer nenhuma garantia e preços baixos demais para serem verdade. Clique aqui para ler um texto ótimo para identificar falsificações!
  • Cuidado com Falsificações: o olho humano é muito ruim para distinguir Chips reais de falsos. Apenas medidores de PPFD conseguem fazer essa leitura de forma precisa, tornando fácil enganar a maioria. Por isso recomendamos o aplicativo Photone, desenvolvido para medir PPFD – disponível para Android e IOS.


Como Escolher a Iluminação Correta para Cultivo Indoor de Maconha? 

A escolha da fonte de iluminação correta no cultivo indoor de cannabis é o coração de todo o processo, uma vez que a lâmpada escolhida que vai desempenhar um papel semelhante ao sol no cultivo outdoor. É um tópico complexo, mas vital, e neste capítulo, vamos tentar esclarecer todas as suas dúvidas sobre o assunto.

A quantidade de luz necessária varia de planta para planta: algumas culturas, como alface, por exemplo, precisam de uma quantidade muito reduzida de luz. No entanto, estudos recentes (até janeiro de 2023) comprovaram que a cannabis é uma planta que exige luminosidade de alta intensidade e é extremamente eficiente em converter luz em rendimento.

Isso significa que há uma relação quase linear entre a quantidade de luz que o painel emite e a quantidade de flores que você obtém. Menos luz significa menos fotossíntese, resultando em menos crescimento, o que normalmente resulta em plantas muito esticadas e produzindo poucas flores.

Por outro lado, o excesso de luz pode trazer problemas como superaquecimento do espaço, saturação de luz nas plantas (embora isso seja raro), e desperdício de energia.

Como Determinar a Quantidade de Luz Necessária no Cultivo Indoor?

Quando falamos de iluminação de LED, em especial as Quantum Boards que oferecemos em nossa loja, a quantidade de luz necessária pode ser traduzida na quantidade de Watts (W) em relação a diferentes tamanhos de área de cultivo. Aqui estão as recomendações de qual Quantum Board escolher de acordo com o espaço disponível:

  • Área de cultivo – 40x40cm: 65W
  • Área de cultivo – 60x60cm: 65W no Estágio Vegetativo e 120W no Estágio de Floração;
  • Área de cultivo – 80x80cm: 120W no Estágio Vegetativo e 240W no Estágio de Floração;
  • Área de cultivo – 100x100cm: 240W no Estágio Vegetativo e 320W no Estágio de Floração;
  • Área de cultivo – 120x120cm: 320W no Estágio Vegetativo e 480W no Estágio de Floração;
  • Área de cultivo – 150x150cm: 480W no Estágio Vegetativo e 660W no Estágio de Floração;

A seguir, vamos explorar mais esse assunto, te guiando a escolher a quantidade de iluminação adequada para seu grow de acordo com seu limite de espaço disponível, seja num cultivo medicinal ou recreativo.

Não Possui Limite de Espaço?

Se o espaço não for um problema, você pode definir a iluminação com base na sua necessidade de consumo de maconha. Quantas flores você precisa por mês? Qual é a posologia do seu tratamento? Com essas informações, é fácil escolher uma iluminação de LED adequada.

Exemplos Práticos

O cultivo de cannabis pode servir a diversos propósitos, desde o tratamento médico até o uso recreativo. A iluminação adequada é fundamental para atender às necessidades específicas de cada caso. Vamos explorar três exemplos práticos para entender como a iluminação pode ser ajustada de acordo com as necessidades individuais.

1. Paciente com Ansiedade
Necessidade:

300 miligramas de CBD por dia, o que se traduz para 60 gramas de flores de cannabis por mês.

Considerações:
  • Genética da Planta: a escolha da genética adequada, com um alto teor de CBD, é vital para atender às necessidades do paciente;
  • Iluminação: a iluminação deve ser ajustada para produzir a quantidade necessária de flores. Isso pode ser alcançado com um painel de média potência (120W a 320W), considerando o espaço disponível e a eficiência do painel;
  • Ciclo de Cultivo: o planejamento do ciclo de cultivo deve ser feito para garantir uma colheita contínua, evitando interrupções no tratamento.
2. Paciente com TEA (Transtorno do Espectro Autista)
Necessidade: 

480 miligramas de CBD por dia (14.400 miligramas de CBD por mês), o que se traduz para 96 gramas de flor de cannabis com teor de 15% de CBD.

Considerações:
  • Genética da Planta: a seleção de uma genética rica em CBD é crucial, assim como no caso anterior;
  • Iluminação: a necessidade maior de CBD requer uma iluminação mais potente ou possivelmente duas áreas de cultivo. A escolha do painel e a configuração do espaço devem ser cuidadosamente planejadas: nesse caso, é provável que um painel de alta potência (480W a 660W) seja necessário;
  • Ciclo de Cultivo: a complexidade do tratamento para o TEA pode exigir um acompanhamento mais detalhado do cultivo, com caráter mais rigoroso do que para o tratamento de ansiedade. A colheita não deve somente ser contínua, mas as flores de cannabis devem ter o máximo de qualidade possível para estarem alinhadas com as necessidades do paciente.
3. Uso Recreativo
Necessidade: 

Média de 1 grama de flor por dia, o que se traduz em 30 gramas por mês.

Considerações:
  • Genética da Planta: a escolha da genética pode ser mais flexível, dependendo das preferências pessoais do usuário. É possível escolher uma strain com mais CBD, outra com mais THC, ou até mesmo escolher uma genética com base no cheiro da planta, como aroma de limão ou até mesmo queijo!
  • Iluminação: a iluminação pode ser menos intensa em comparação com os casos médicos, mas ainda deve ser adequada para produzir a quantidade desejada de flores. Para esse caso, um painel de média potência é o suficiente (120W a 240W).
  • Ciclo de Cultivo: o ciclo de cultivo pode ser mais relaxado, com mais liberdade para experimentar diferentes técnicas e abordagens.

Comparando os três exemplos práticos de necessidades para o cultivo de cannabis, temos o seguinte quadro:


Seu Espaço te Limita?

Se você possui um espaço limitado, como uma área de cultivo de 80x80cm, você deve escolher a iluminação com base nesse pequeno espaço, utilizando somente a quantidade de luz necessária. Nesse caso, o máximo de luz indicada, sem desperdícios ou necessidade de suplementação de CO2, é uma Quantum Board de 240W. 

Como Definir Quantas Plantas de Cannabis Cultivar de Acordo com o Espaço Disponível?

Uma das decisões mais críticas para o cultivo indoor é determinar quantas plantas colocar em cada espaço. Essa escolha afeta tudo, desde a velocidade de crescimento, tamanho do vaso, tipo de cultivo e também do esforço que vai ser necessário para cultivar. Vamos explorar as considerações essenciais para tomar essa decisão.

1. A Escolha do Número de Plantas:

A quantidade de plantas por espaço depende da abordagem do cultivador: pode-se cultivar uma única planta até preencher todo o espaço ou várias plantas para preenchimento rápido. Uma boa métrica sugerida é de 6 a 9 plantas de cannabis por metro quadrado, equilibrando a velocidade de crescimento e o preenchimento da estufa.

2. Técnicas de Cultivo:
  • SCROG (Screen of Green): essa técnica faz uso de uma rede para dar apoio e controlar o formato de crescimento da maconha. O número de plantas recomendado para aplicar essa técnica é reduzido, cerca de uma planta por metro quadrado. Requer mais tempo para preencher o espaço de cultivo, mas é mais fácil de gerenciar.
  • SOG (Sea of Green): essa técnica é boa para otimizar cada centímetro do espaço de cultivo, então se utiliza muitas plantas, cerca de 20 a 30 por metro quadrado. É uma técnica complexa e trabalhosa, não recomendada para iniciantes, mas oferece preenchimento rápido da área.
3. Rendimento: comparando SCROG e SOG

Imagine duas tendas de 1x1m com um painel de 240W. Uma com 2 plantas utilizando a técnica SCROG e outra com 20 plantas utilizando a técnica SOG. Ambas as técnicas tendem a ter rendimentos similares, pois recebem a mesma quantidade de energia. A diferença está na velocidade de crescimento: o cultivo SOG ganha na velocidade, permitindo 3 a 4 colheitas por ano, enquanto SCROG permite somente 2 colheitas.

4. Recomendação

A mistura das duas técnicas, como cultivar 9 plantas por metro quadrado, pode ser a melhor abordagem, equilibrando tempo, preenchimento e evitando os lados negativos do SOG. É bom ter plantas extras em caso de perdas. Se usar sementes regulares, lembre-se que cerca de 50% podem ser machos e não gerar flores.

Conclusão:

A escolha do número de plantas e a técnica de cultivo dependem das necessidades e habilidades do cultivador. A compreensão das técnicas SCROG e SOG, bem como a consideração do equilíbrio entre velocidade e preenchimento, ajudará a tomar a decisão certa. A chave é encontrar um equilíbrio que atenda aos seus objetivos de cultivo, seja em termos de rendimento, velocidade ou facilidade de gerenciamento. A flexibilidade e a adaptação às circunstâncias específicas do seu cultivo garantirão o sucesso na colheita.


Métricas Essenciais de Iluminação para Cultivo Indoor

A indústria da horticultura está passando por uma transformação sem precedentes com a adoção em massa de LEDs para iluminação no cultivo de plantas. Essa mudança não apenas representa uma inovação tecnológica, mas também uma mudança de paradigma na forma como entendemos e aplicamos essas ferramentas. 

A transição de lâmpadas tradicionais para Chips de LED abriu novas possibilidades e desafios, tornando necessário compreender as métricas usadas para medir os valores ideais de iluminação. Métricas como Lúmens, PPF e PPFD desempenham papéis cruciais na otimização do crescimento das plantas.

Essa transição não é apenas uma questão de substituir uma lâmpada por outra. Exige pesquisa, educação e uma abordagem cuidadosa para entender como a luz afeta diferentes tipos de plantas em diferentes estágios de crescimento. A falta de compreensão pode levar a práticas ineficientes e resultados abaixo do esperado.

Lúmens e Fluxos Fotossintéticos: qual a diferença?

Quando falamos de cultivo indoor, a compreensão das métricas de iluminação é vital para obter os melhores resultados na hora da colheita. Entre essas métricas, os Lúmens e os Fluxos Fotossintéticos (PPF) são dois termos frequentemente mencionados, mas muitas vezes mal compreendidos. A diferença entre eles não é apenas técnica, mas também funcional, e entender essa diferença é crucial para a otimização do crescimento das plantas.

Lúmens:

Medida da quantidade total de luz visível emitida de uma fonte de luz. Essa métrica é centrada na percepção humana da luz e é mais relevante para aplicações onde a visibilidade humana é a principal preocupação, como na iluminação de edifícios ou ruas.

PPF (Fluxo de Fótons Fotossintético):

Medida da quantidade total de luz PAR (Radiação Ativa Fotossintética) emitida por uma fonte de luz. A Radiação Ativa Fotossintética é a faixa do espectro de luz que as plantas usam para a fotossíntese, variando entre 400 a 700 nanômetros. Ao contrário dos Lúmens, que se concentram na luz visível ao olho humano, o PPF se concentra na luz utilizável pelas plantas.

A Relação entre Lúmens e PPF:

A diferença entre essas duas métricas vai além da simples medição: ela se estende à aplicação prática no cultivo de plantas. A utilização de Lúmens pode ser adequada para iluminar um escritório ou uma sala de estar, mas essa métrica não fornece uma medida precisa da eficácia de uma lâmpada no desenvolvimento das plantas. O PPF, por outro lado, oferece uma avaliação direta da quantidade de luz que pode ser absorvida pelas plantas para a fotossíntese.

Usar Lúmens como métrica pode levar a decisões de iluminação que não atendem às necessidades específicas das plantas, enquanto o entendimento e a aplicação do PPF podem levar a um crescimento mais robusto e saudável. Apesar da escala de Lúmen não ser a melhor métrica pro cultivo indoor, a imagem abaixo representa bem o quão eficientes são os chips de LED em comparação com iluminação tradicional, com uma diferença gigantesca no consumo de energia.


Fluxo de Fótons Fotossintéticos (PPF) e Densidade do Fluxo de Fótons Fotossintéticos (PPFD): uma diferença essencial

No mundo do cultivo indoor, a iluminação desempenha um papel vital no crescimento e desenvolvimento das plantas. Entre as métricas usadas para avaliar a eficácia da iluminação, o PPF e o PPFD são dois termos que frequentemente surgem. Embora relacionados, eles representam conceitos distintos que são aplicados de maneiras diferentes.

Fluxo de Fótons Fotossintéticos (PPF)

O PPF mede a quantidade total de fótons PAR (Radiação Ativa Fotossintética) emitidos por uma fonte de luz por segundo. É uma métrica importante para avaliar a capacidade de uma lâmpada de fornecer a energia luminosa necessária para a fotossíntese. 

O PPF é expresso em micromoles por segundo (µmol/s), o que se traduz para: “a quantidade de luz que uma lâmpada pode produzir”.

Densidade do Fluxo de Fótons Fotossintéticos (PPFD)

O PPFD, por outro lado, mede a densidade desses fótons PAR que atingem uma superfície específica por segundo. É uma métrica que descreve como a luz é distribuída sobre uma área definida e é expressa em micromoles por metro quadrado por segundo (µmol/m²/s). 

O PPFD é essencial para entender a intensidade da luz em um ponto específico do cultivo e pode ajudar a determinar a altura adequada para pendurar as luzes e a distribuição uniforme da luz sobre as plantas.

A Relação entre PPF e PPFD:

Enquanto o PPF fornece uma visão geral da capacidade de uma lâmpada de emitir luz PAR, o PPFD oferece uma visão mais detalhada de como essa luz é entregue às plantas. O PPF é uma medida da produção total de luz, enquanto o PPFD é uma medida da concentração de luz em uma área específica.

A relação entre essas duas métricas é influenciada por vários fatores, incluindo a distância entre a fonte de luz e a superfície, o design da lâmpada, e a presença de refletores ou outros elementos ópticos. Uma lâmpada com alto PPF pode não necessariamente fornecer um PPFD adequado se a luz não for distribuída de maneira uniforme ou se for posicionada incorretamente.

Conclusão sobre Métricas de Iluminação:

A iluminação no cultivo indoor é uma ciência complexa que requer uma compreensão profunda das métricas essenciais e uma abordagem cuidadosa para atender às necessidades específicas das plantas. Aprender a diferença entre Lúmens, PPF e PPFD é crucial para qualquer cultivador de maconha.

A transição para a iluminação LED e a adoção de métricas precisas são passos vitais para otimizar o crescimento das plantas e maximizar a eficiência. A iluminação é mais do que apenas fornecer luz: é sobre fornecer a luz certa, da maneira certa, no momento certo. Aqueles que dominam esses conceitos estarão bem posicionados para alcançar colheitas de sucesso.


Espectro da Luz ou Intensidade da Luz: qual o principal fator no cultivo de cannabis?

A luz para cultivo indoor é mais do que apenas uma fonte de iluminação: ela representa uma complexa fonte de energia que desempenha um papel crucial na vida das plantas, influenciando desde a germinação até a floração. Para quem se dedica ao cultivo de plantas, especialmente em ambientes controlados, entender o espectro e a intensidade da luz é fundamental. Mas o que exatamente esses termos significam, e por que eles são tão importantes?

Espectro da Luz: refere-se à gama completa de cores (comprimentos de onda) que a luz contém. Do violeta ao vermelho, cada cor tem um efeito diferente sobre as plantas. Algumas cores promovem o crescimento das folhas, enquanto outras estimulam a floração e a frutificação.

Intensidade da Luz: é a quantidade de energia que a luz emite. É medida em micromoles por metro quadrado por segundo (µmol/m²/s), representando um fator crítico na fotossíntese, o processo pelo qual as plantas convertem luz em energia. A intensidade correta da luz garante que as plantas recebam energia suficiente para crescer, mas não tanto que possam ser danificadas.

Qual o melhor espectro de luz para cultivo indoor?

Para responder essa questão, vamos usar como base a pesquisa realizada por Bruce Bugbee et al (2021). Esse estudo demonstrou que o uso de iluminação de LED facilitou o entendimento dos efeitos dos espectros de luz no crescimento de plantas.

A relação entre espectro luminoso e o rendimento das plantas é uma área de estudo fascinante e reveladora. Podemos literalmente testar todos os espectros de luz e ver qual espectro é capaz de resultar numa maior quantidade e numa melhor qualidade das flores, que são os dois pontos mais importantes para qualquer cultivador.

Segundo o estudo de Bruce:

“Ao reduzir a fração azul de 20% (6500K) para 4% (2700K), houve um aumento de 12,3% no rendimento em massa seca. Enquanto ao aumentar a eficiência, houve um aumento de 27% no rendimento por dólar de eletricidade” 

Essa afirmação deixa implícito que os espectros de luz possuem um papel importante no desenvolvimento da cannabis, mas a eficiência da luz representa um papel mais importante ainda. Vamos explorar isso em detalhes:

Modificando o Espectro de Luz: ajustando a fração azul

O espectro luminoso é composto por diferentes cores de luz, cada uma com um comprimento de onda específico: a fração azul refere-se à porcentagem de luz azul no espectro total. A pesquisa de Bugbee mostrou que, ao reduzir a fração azul de 20% (6500K, uma luz mais fria) para 4% (2700K, uma luz mais quente), o rendimento em massa seca das plantas aumentou em 12,3%.

Isso significa que cultivar com uma luz de 2700K, que tem uma fração azul menor, pode aumentar os rendimentos em comparação com uma luz de 6500K. A luz azul é vital para o crescimento vegetativo, mas uma redução na sua fração pode favorecer o estágio de floração, levando a um aumento no rendimento.

A Importância da Eficiência: o fator principal

Embora o estudo de Bugbee tenha demonstrado que modificar o espectro de luz de fato afeta o rendimento na hora da colheita, ele encontrou algo ainda mais significativo: a eficiência da luz é o fator mais importante. A eficiência aqui se refere à quantidade de luz útil produzida por unidade de energia consumida.

Ao aumentar a eficiência da iluminação, houve um aumento de 27% no rendimento por dólar de eletricidade. Isso é mais do que o dobro do aumento alcançado apenas ajustando o espectro da luz.

A razão para isso é simples: a eficiência determina quão bem a energia é convertida em luz utilizável pelas plantas. Quanto mais eficiente a luz, mais energia é convertida em crescimento, e menos energia é desperdiçada como calor ou luz inutilizável. Isso se traduz em maior rendimento por unidade de energia consumida, tornando o cultivo mais econômico e sustentável.

Os LEDs vermelhos têm uma eficácia maior do que os LEDs azuis e brancos. Isso indica que os fabricantes de luminárias LED e os cultivadores devem considerar equipamentos com chips brancos (3000K até 4000K, sendo 3500K o padrão) + chips vermelhos (660nm). A iluminação otimizada é fundamental para a economia do cultivo indoor de cannabis. Esse é o padrão que utilizamos nos Painéis de LED da Cultlight, comprovado pela ciência.


Quanta Luz é Necessária para o Cultivo Indoor de Cannabis: intensidade luminosa para todos estágios

O cultivo de cannabis em ambiente interno requer que você compreenda qual a intensidade luminosa necessária em cada estágio de crescimento. A iluminação desempenha um papel crucial na fotossíntese, que é o processo pelo qual as plantas convertem água, nutrientes minerais e dióxido de carbono em carboidratos e oxigênio, usando a luz como energia. A intensidade da luz que chega até à planta (PPFD) é medida em micromoles por metro quadrado por segundo (µmol/m²/s), e a quantidade ideal varia de acordo com o estágio da planta. Vamos te ensinar a calcular quanta luz é necessária para cada um desses estágios!

Qual a altura ideal da iluminação no cultivo indoor? (PPFD)

O controle da iluminação no cultivo de cannabis é um fator crucial para obter uma colheita farta e saudável. Ajustar a altura da iluminação ao longo das diferentes etapas do cultivo é essencial para atingir as taxas ideais para a fotossíntese da planta. Vamos te ensinar a calcular qual a distância do seu painel de LED até as plantas a partir de diferentes métodos.

Devo ajustar a altura da luz do cultivo constantemente?

Sim, é importante ajustar a altura dos painéis de luz constantemente, acompanhando a evolução da planta. A utilização de mecanismos ajustáveis e a verificação da temperatura das plantas são fatores essenciais para obter resultados positivos no cultivo indoor.

Definindo a altura da luz através do PPFD:

O PPFD (densidade de fluxo de fótons fotossintético) é uma medida da intensidade da luz em um ponto específico do espaço de cultivo, com na superfície da uma folha, por exemplo. Essa métrica é ideal para definir com rigor técnico quanta luz está disponível para sua maconha realizar a fotossíntese.

Para medir o PPFD com precisão, a Cultlight recomenda o app “Photone”, fruto de um projeto da Lightray Innovation que mistura empreendimento e pesquisa científica. Esse aplicativo é essencial para qualquer cultivador que deseje ter o máximo de rendimento durante o crescimento de suas plantas e, principalmente, na hora de colheita das flores. Clique no botão abaixo para baixar o aplicativo para iOS ou Android! 

Abaixo, seguem os valores ideais de PPFD para os diferentes estágios de desenvolvimento da cannabis:

  • Clones: entre 75 e 150 PPFD;
  • Mudas: entre 100 e 300 PPFD;
  • Estágio vegetativo: entre 300 e 600 PPFD;
  • Estágio de floração: entre 600 e 900 PPFD.
Infográfico mostrando o PPFD e a altura ideal para as mudas de cannabis.
Infográfico mostrando o PPFD e a altura ideal para a cannabis no estágio vegetativo.
Infográfico mostrando o PPFD e a altura ideal para a cannabis no estágio de floração.

Durante o Estágio de Floração, é comum que profissionais e cultivadores mais experientes cultivem com intensidade elevadas, em média de 1000 a 1200 PPFD sem uso de CO2 e 1500 a 1800 PPFD com uso de CO2. Intensidades mais elevadas requerem adaptação do ambiente de cultivo, que deve estar 100% otimizado para o crescimento de plantas. Até mesmo a genética é escolhida a dedo para obter rendimentos mais elevados. Somente assim é possível utilizar efetivamente toda essa quantidade de luz. 

Altura ideal para pendurar a iluminação em metros:

No cultivo indoor, a iluminação é o principal fator limitador da fotossíntese, e a planta procura chegar o mais próximo possível da fonte luminosa para absorver o máximo de luz possível. Medir com precisão a distância do painel de iluminação é vital para definir a intensidade da fotossíntese e, consequentemente, a produção de flores cheias de terpenos e canabinóides. 

Caso você não consiga utilizar um aplicativo de celular como o Photone para medir a intensidade da iluminação no seu cultivo, vamos te ensinar qual a distância recomendada entre o painel de LED e suas plantas em cada estágio de desenvolvimento:

  • Mudas, plantas recém germinadas e clones: 60 a 90 centímetros;
  • Estágio Vegetativo: 30 a 60 centímetros;
  • Estágio de Floração: 30 a 45 centímetros.

Tenha certeza que toda a estufa está sendo iluminada!

A iluminação deve ser forte o suficiente para penetrar nos cantos do espaço de cultivo, mas também balanceada para evitar queimaduras ou crescimento desigual. É importante considerar a intensidade da luz em cada canto do cultivo.

Conclusões sobre altura da luz:

Ajustar a altura da luz no cultivo de cannabis é uma ciência precisa que requer atenção constante. A iluminação adequada garante o crescimento saudável das plantas e uma colheita farta. A utilização de tecnologias modernas, como Quantum Boards e aplicativos de medição de PPFD, pode facilitar esse processo e otimizar os resultados.


Como ter Colheitas com um Rendimento Maior e de Maior Qualidade?

Aumentar o rendimento e a qualidade da colheita no cultivo indoor de cannabis é uma meta comum entre os cultivadores. Vamos explorar as práticas e conceitos desenvolvidos tanto por estudos científicos quanto por cultivadores amadores e profissionais que podem ajudar a alcançar esse objetivo.

A Regra de 1%:

A regra de 1% estabelece que o rendimento da safra de maconha corresponde proporcionalmente ao aumento da intensidade luminosa: ou seja, 1% a mais de intensidade luminosa equivale a 1% a mais de rendimento. Os rendimentos na hora da colheita podem aumentar linearmente com a intensidade da luz até pelo menos 1500 µmol m²s –1, o que representa cerca do dobro da intensidade mais comumente usada pelos produtores de cannabis.

Por exemplo, se você possui um rendimento X com uma Quantum Board de 120W em uma estufa de 1x1m, com duas Quantum Boards de 120W na mesma estufa, você terá um rendimento 2x maior. A cannabis tem uma capacidade excepcionalmente alta de converter luminosidade em biomassa.

Qualidade das flores e potência dos terpenos

Aumentar os níveis de intensidade luminosa pode tornar os buds de cannabis mais densos, melhorando sua qualidade, facilidade para trimar e beleza. Estudos demonstraram que a potência dos terpenos da maconha aumentou em ≈25%, conforme o PPFD aumentou de 130 para 1.800 µmol m²s –1. Isso significa que os aromas da cannabis podem ser aprimorados se a intensidade luminosa for aumentada.

Déficit de pressão de vapor (VPD)

De uma forma geral, o VPD é um cálculo entre a quantidade de vapor de água que a atmosfera é capaz de reter, aspecto que depende da temperatura, e a quantidade de vapor já existente na atmosfera, fator chamado de umidade relativa do ar. O controle do VPD, nem muito alto nem muito baixo, irá auxiliar a planta a atingir taxas maiores desses processos, absorvendo mais água e nutrientes, além de evitar doenças.

Temperatura e Umidade Relativa ideais para a Maconha:

  • Estágio de Muda e Vegetativo: Temperatura entre 21 – 29 °C e Umidade Relativa entre 50 – 70%.
Infográfico com os valores ideais de temperatura e umidade relativa do ar durante o estágio de muda e estágio vegetativo da maconha.
  • Estágio de Floração: Temperatura entre 20 – 25 °C e Umidade Relativa entre 40-50%.
Infográfico com os valores ideais de temperatura e umidade relativa do ar durante o estágio de floração da maconha.
  • Níveis Ideais de VPD: 0,7-1,2 kPa durante o Estágio Begetativo e 0,6-1,0 kPa durante o Estágio de Floração.

O controle da temperatura e da umidade é um desafio na autoprodução doméstica de maconha, mas é um fator essencial para manter a qualidade do cultivo indoor. A falta de controle adequado pode levar a problemas como mofo ou estresse hídrico nas plantas, prejudicando o sucesso e a velocidade de crescimento das plantas.

Fotossíntese e saturação de luz no cultivo indoor

A fotossíntese ocorre em estruturas microscópicas chamadas organelas, mais precisamente nas estruturas especializadas chamadas cloroplastos. À medida que a intensidade da luz que chega à superfície da planta (PPFD) aumenta, as taxas de fotossíntese também aumentam até atingir um ponto de saturação. Cada espécie de planta tem um ponto de saturação de luz onde os níveis de fotossíntese se estabilizam.

A intensidade da luz também pode ser limitada ou limitada pelo dióxido de carbono (CO2), como mostrado no gráfico abaixo:

Fotoaclimatação no cultivo indoor

Durante o crescimento inicial da cannabis, a intensidade da luz deve ser mantida relativamente baixa, pois a planta está desenvolvendo diversas estruturas, como as raízes, folhas e caules. Aumentar a intensidade da luz à medida que você avança para o Estágio Vegetativo e o Estágio de Floração significa um aumento da taxa de fotossíntese. É importante aumentar a intensidade da luz gradualmente para evitar danos aos pigmentos de clorofila.

Fotoperiodismo

O fotoperiodismo refere-se ao desenvolvimento de uma planta em resposta à duração do dia em relação à duração da noite. Essa dinâmica influencia diretamente em respostas fisiológicas da maconha, como iniciar o período de floração, por exemplo. No cultivo indoor, isso se traduz para quanto tempo os painéis de LED ficarão ligados em relação à quanto tempo ficarão desligados. 

Intensidade de Luz Diária (DLI)

O termo DLI é usado para descrever a quantidade total de luz entregue à uma planta ao longo de um dia inteiro. É uma medida útil para estimar o efeito da luz solar no crescimento das plantas. 

Pouca luz = subdesenvolvimento

Luz insuficiente pode resultar em flores de cannabis de baixa qualidade, leves, com pouco aroma e sabor, e mais trabalhosas na hora de podar. Em inglês, elas são conhecidas como “Larf”. Plantas grandes que recebem luz inadequada produzirão muitas flores de baixa qualidade.

Muita luz = desperdício e danos

Sim, luz em excesso pode ser prejudicial às plantas. O excesso de luz pode causar estresse, queimaduras e afetar a produção de compostos importantes como CBD e THC. Além disso, luz em excesso significa um gasto maior de energia, que estará sendo desperdiçada.

Por isso, evite dar às plantas mais luz do que elas podem usar ou suportar. É fundamental manter a luz na altura correta e durante o período certo de tempo, além de garantir uma boa ventilação e controle da temperatura. Modelos como Quantum Boards são mais eficientes e podem ser posicionados mais próximos das plantas.

Conclusão sobre rendimento maior:

Para ter um rendimento maior e flores de maior qualidade no cultivo indoor de maconha, é fundamental aumentar a quantidade de intensidade luminosa e manter um controle rigoroso sobre a temperatura, umidade e VPD. O equilíbrio desses fatores é capaz de influenciar as plantas de diversas formas, otimizando o crescimento e a resistência a pragas. 

Para produzir este capítulo, foram utilizados os seguintes estudos:

Flor de maconha de tons verdes, roxos e laranjas sobre fundo preto.


Manual de LED Quantum Board da Cultlight

Se você está pensando em adquirir uma Quantum Board ou se já possui uma, esta sessão é perfeita para você! Vamos te ensinar todos os conhecimentos essenciais para você ter maior autonomia na manutenção do seu painel de LED.

Quanto gasta uma Quantum Board?

A Quantum Board é uma tecnologia de ponta no mercado de iluminação para cultivo, conhecida por sua eficiência energética. Os painéis de LED Cultlight, por exemplo, são projetados para minimizar o consumo de energia elétrica. Mas qual é o custo real de operação desses painéis? Vamos dar uma olhada na média mensal de gastos com energia elétrica para diferentes modelos:

  • Painel de LED de 65W: R$ 30/mês
  • Painel de LED de 120W: R$ 60/mês
  • Painel de LED de 240W: R$ 120/mês
  • Painel de LED de 320W: R$ 160/mês
  • Painel de LED de 480W: R$ 240/mês

Como Calcular o Consumo Elétrico

Se você quiser calcular o consumo elétrico específico para seu grow, na sua cidade, siga estas etapas:

  1. Multiplique a potência da Quantum Board (em Watts) pelas horas de uso diário;
  2. Multiplique o valor obtido pelo número de dias do mês;
  3. Multiplique o resultado pela tarifa da energia elétrica da sua cidade, já contabilizando os impostos;
  4. Divida o resultado por 1000.

Essa fórmula lhe dará uma estimativa precisa do custo mensal de operar sua LED Quantum Board, permitindo que você planeje seu orçamento de acordo.

A tecnologia Quantum Board representa uma opção eficiente e econômica para iluminação de cultivo. Com uma compreensão clara dos custos operacionais, você pode tomar decisões informadas que atendam às suas necessidades de cultivo e orçamento.

Como instalar um painel de LED Quantum Board?

A instalação dos painéis de LED Cultlight é um processo simples e rápido, que pode ser concluído em cerca de 5 minutos. Aqui está um guia passo a passo para ajudá-lo a instalar sua Quantum Board:

  • Prenda os Ganchos: comece prendendo os ganchos dos penduradores nos quatro cantos da Quantum Board;
  • Pendure a Quantum Board: em seguida, pendure a Quantum Board nas hastes do teto de sua estufa;
  • Regule a Altura: utilize os ganchos ajustáveis para posicionar o painel de LED a 60 cm da superfície do vaso de planta. Essa altura é ideal para a maioria dos cultivos;
  • Conecte o Cabo ao Driver: conecte o cabo do painel de LED ao driver de energia utilizando o conector fornecido;
  • Organize os Cabos: passe os cabos para o lado de fora através das saídas de energia elétrica da sua estufa. Isso ajudará a manter sua área de cultivo organizada e segura;
  • Conecte à Energia Elétrica: finalmente, conecte o driver à energia elétrica;
  • Pronto para Cultivar: sua Quantum Board está agora pronta para iluminar seu cultivo!
Manual de montagem com desenhos das Quantum Boards da Cultlight. As instruções estão no post.

Dicas para Comprar Seu Painel de LED

A busca pelo equipamento perfeito para o cultivo indoor pode ser uma jornada emocionante, mas também repleta de armadilhas. No mercado atual, onde a demanda por tecnologia de iluminação eficiente está em alta, surgiram também oportunidades para práticas desonestas e enganosas. Produtos falsificados e adulterados estão se tornando cada vez mais comuns, e os cultivadores, tanto novatos quanto experientes, devem estar atentos para não cair em armadilhas.

Esses produtos não apenas comprometem a qualidade do seu cultivo, mas também podem representar riscos à segurança e resultar em perdas financeiras significativas. Desde potência enganosa e descrições falsas até chips de baixa eficiência e drivers de qualidade inferior, os problemas associados a esses produtos podem ser vastos e variados.

Nesta seção, vamos explorar os problemas mais comuns que você pode encontrar ao comprar painéis de iluminação para cultivo indoor. Vamos desvendar as táticas usadas por vendedores desonestos e fornecer orientações claras sobre como identificar e evitar esses produtos. Também discutiremos a importância da garantia e o que procurar para garantir que você está investindo em equipamento de qualidade.

Se você está planejando comprar um painel de iluminação para o seu cultivo, esta leitura é essencial. Não compre antes de ler estas orientações vitais. A informação correta pode ser a diferença entre uma colheita bem-sucedida e um investimento perdido.

Comparação de Produtos: a verdade por trás dos números

Ao escolher um produto, é fácil ser atraído por preços mais baixos e promessas grandiosas. Mas é essencial olhar além dos números e entender o que realmente está sendo oferecido. Nesta seção do texto, vamos comparar dois produtos de iluminação para cultivo: o nosso e o de um concorrente.

  • Quantum Board 480W (Cultlight), que custa R$ 5000;
  • Quantum Board 480W (concorrente), que custa R$ 3.680.

1. Especificações Técnicas

Nosso Produto:
  • Potência: 480W
  • Chips: 1224 Samsung LED LM301H, 72 chips 660nm OSRAM.
  • Espectro da Luz: full-spectrum e deep-red (660nm). Trabalhamos somente com espectros indicados por estudos científicos
  • Driver: 2 Meanwell® XLG-240-H-AB, separado da placa, garantindo menor aquecimento.
  • Estrutura: 96x96cm, robusta e eficiente.
  • Cabo de Energia: 3m com plug brasileiro.
Produto Concorrente:
  • Potência: 480W
  • Chips: 1356 chips genéricos (não informam a marca e nem o modelo).
  • Espectro da Luz: full-spectrum, deep-red (660nm), UV (385nm), FAR RED (730nm). Tudo isso sem informar a marca dos chips e sem garantia de estudos científicos sobre eficiência do espectro.
  • Driver: nome genérico e sem marca (LED Driver IP65), grudado na placa, o que aquece o painel e diminui a vida útil.
  • Estrutura: 78x78cm, significativamente menor.
  • Cabo de Energia: Apenas 4m.

2. Desempenho e Eficiência:

Nosso Produto:
  • PPF: 1248 umol garantidos. Chips originais da marca Samsung.
  • Fluxo Luminoso (lm): 81.600. Consistente com os Chips da Samsung.
Produto Concorrente:
  • PPF: 1345 umol duvidosos. Os Chips não possuem procedência e nem menção à marca.
  • Fluxo Luminoso (lm): 72.000. A placa possui mais Chips e possui menos fluxo luminoso? Existe algo de errado.

3. Garantia e Confiança:

Nosso Produto:
  • Garantia: 3 anos, refletindo nossa confiança na qualidade e durabilidade.
Produto Concorrente:
  • Garantia: Apenas 1 ano para um produto que alega 50.000 horas úteis. Isso diz muito sobre a qualidade.

Depois dessa comparação, fica evidente que a diferença de preço entre os dois produtos não é um acidente. Nosso produto é infinitamente superior em qualidade, desempenho e confiabilidade. As alegações do concorrente, como o fluxo luminoso e a eficiência PPF, são, na melhor das hipóteses, incorretas e, na pior, falsas.

Investir em um produto de qualidade é investir em confiança e desempenho a longo prazo. Nossas Quantum Boards e Quantum Bars são projetadas para oferecer exatamente isso, com uma garantia de 3 anos para demonstrar a fé que possuímos nos produtos que vendemos.

Não se deixe enganar por números inflados e promessas vazias. Escolha qualidade, escolha confiança, escolha o nosso produto.


Produtos Enganosos: uma avalanche de dados falsos

Ao procurar por Quantum Boards, é comum encontrar informações falsas não apenas nos títulos dos anúncios, mas também nas descrições dos produtos. Essas mentiras e dados sem nexo são, infelizmente, sem limites e podem levar a uma compra mal informada que pode trazer grandes prejuízos.

Aqui estão alguns exemplos de afirmações enganosas que você pode encontrar:

  • Brilho e Economia de Energia: muitos vendedores afirmam que seu produto gasta menos energia do que realmente gasta. É comum ver anúncios assim – “O brilho de nosso produto é igual a 200W de lâmpada HPS. É mais economia de energia do que LED.” –  Essa afirmação é falsa, pois a lâmpada de HPS faz, em média, 110 lúmens por Watt, bem similar aos LEDs mais ineficientes. Portanto, não substitui de fato.
  • Lúmens e Altura: outra afirmação enganosa é sobre a quantidade de luz emitida em relação à altura. É comum ver anúncios assim – “Painel 65W com 30.000 Lúmens a 30 cm de altura.” – Lúmens não se medem por altura; isso, na verdade, refere-se ao lux. A afirmação de que o produto faz 30.000 Lúmens com potência de 65W, ou 461 lúmens por watt, é absurda. Seria o produto mais eficiente do mundo, superando até mesmo a tecnologia da NASA!
  • Área de Cobertura: os vendedores adoram afirmar que seus produtos iluminam de forma eficiente uma área gigantesca. Muitos anunciam dessa forma – “Painel de 65W atende cultivo de até 1,5 m² (estufa com material refletivo).” – Isso também é falso: com a média de 320 W/m2, você precisaria de sete painéis desses para atender um espaço de 1,5 m², conforme eles afirmam.
  • Rendimento Médio: uma outra tática enganosa é afirmar que a colheita de flores terá um rendimento gigantesco. Já vimos muitos anúncios assim – “Rendimento médio de 2 a 2,5g/W.” Essa informação é particularmente irritante, pois esse rendimento não é alcançado nem por profissionais. É uma falta de respeito compartilhar esse tipo de coisa e criar uma falsa realidade na mente do consumidor, que acredita nisso e se frustra ao se deparar com a realidade.
  • Vida Útil: dizer que o produto tem uma vida útil de 10 anos (cerca de 100.000 horas) é uma forma simples de atrair consumidores. Nenhum produto de iluminação para cultivo, mesmo dos mais altos níveis de qualidade internacional, tem essa vida útil. É simplesmente falso. A vida útil dos produtos mais famosos varia de 45.000 a 50.000 horas, enquanto produtos mais ineficientes ficam em torno de 25.000.

Essas descrições enganosas são mais do que apenas erros; são táticas deliberadas para atrair compradores desavisados. É essencial que os consumidores estejam cientes dessas práticas e saibam como identificar informações falsas.

Ao comprar um painel de LED para o seu cultivo, leia as descrições cuidadosamente e questione qualquer afirmação que pareça exagerada ou falsa. A educação e a consciência são suas melhores defesas contra essas táticas enganosas. Compre de vendedores confiáveis que forneçam informações precisas e transparentes, e não se deixe levar por promessas vazias e dados inflados. A seguir, vamos explorar mais a fundo as enganações que você pode encontrar na sua jornada para adquirir uma Quantum Board.


Problemas com Chips de LED

Chips Falsos:

O mercado de iluminação LED tem sido um campo fértil para inovações e avanços tecnológicos. No entanto, com o crescimento da indústria, também surgiram fabricantes de produtos falsificados, particularmente no mercado chinês. Esses chips falsos, embora possam parecer idênticos aos originais, são muito menos eficientes e podem ser uma armadilha para os consumidores desavisados.

Em 2019, a Samsung revolucionou a indústria de iluminação ao introduzir seus diodos de alta qualidade, tornando-se o padrão na indústria de luzes de cultivo. Rapidamente, surgiram fabricantes de produtos falsificados, anunciando seus produtos como diodos genuínos da Samsung.

Esses chips falsos são facilmente encontrados no mercado chinês e são bem menos eficientes. Eles não possuem datasheets (ficha técnica) e são fisicamente idênticos aos originais. A questão que surge é: será que esse painel super barato e de baixa garantia que você comprou usa de fato os chips LM301H?

Como Identificar Chips Falsos:

Aqui estão algumas maneiras de distinguir os chips genuínos dos falsos:

  1. Tamanho do Diodo: a Samsung oferece duas séries principais de diodos, a série 2835 e a série 3030. A série 3030 tem diodos de 3.0mm x 3.0mm, enquanto a série 2835 tem diodos de 2.8mm x 3.5mm. Se as dimensões não corresponderem a essas medidas padrão, você provavelmente está lidando com um produto falso.
  2. Tipos de Diodos: a série Samsung 3030 inclui modelos como LM301H, LM301B e LM301D. Se você encontrar um produto com um número de modelo diferente, é provável que não seja autêntico.
  3. Quantidades de Diodos: devido à sua qualidade, os diodos genuínos da Samsung não são baratos. Se a luz que você está considerando tem muitos diodos, mas um preço baixo, você sabe que está lidando com LEDs de baixa qualidade.
  4. Vida Útil do LED: os diodos genuínos da Samsung podem durar até 50.000 horas ou mais sem perder intensidade ou eficiência. Se o produto não oferece essa garantia de vida útil, é um sinal de alerta.
  5. Preço do LED: se você encontrar uma luz que custa metade do preço de outros modelos semelhantes, não caia na armadilha. O produto pode conter LEDs falsificados da Samsung.

A compra de chips falsos e de baixa eficiência pode acabar custando caro no momento da colheita e no rendimento das plantas. A qualidade da iluminação é vital para o sucesso do cultivo indoor, e a escolha de produtos genuínos e de alta qualidade é um investimento que vale a pena.

Quantidade de Chips: a importância da eficiência e qualidade

Ao escolher um painel de LED para o seu cultivo, a quantidade e a qualidade dos chips são fatores cruciais a serem considerados. A eficiência e o desempenho do painel estão diretamente relacionados ao número de chips e à sua qualidade. Vamos explorar por que isso é tão importante.

Quantidade de Chips: quanto mais, melhor

A quantidade de chips em um painel de LED determina sua eficiência e capacidade de fornecer luz adequada às plantas. Por exemplo:

  • Nossa Quantum Board 320W possui 816 chips LM301H, enquanto uma Quantum Board 320W do concorrente, com preço similar, tem apenas 520 chips LM301H.
  • Nossa Quantum Board 480W possui 1224 chips Samsung LM301H, em comparação com outras do mercado, que possuem entre 800 a 1080 chips.

Quanto mais chips, mais eficiente é o painel. Nossos painéis possuem a média de 2,1 chips LM301H por Watt. Esse detalhe é vital para garantir um produto de qualidade.

Qualidade dos Chips: não seja enganado

É comum que alguns vendedores insiram mais chips vermelhos (660nm), geralmente de marcas inferiores, como EPISTAR, ao invés de chips brancos da Samsung. Isso pode criar a ilusão de ter o “mesmo número de chips”, mas esses chips vermelhos são menos eficientes e servem apenas como complemento.

O mais importante são os chips brancos mais eficientes! A qualidade dos chips é tão crucial quanto a quantidade. Chips de qualidade inferior podem comprometer a eficiência geral do painel e, consequentemente, o crescimento das suas plantas.

Ao comprar um painel de LED, não se deixe levar apenas pelo preço. Preste atenção na quantidade e qualidade dos chips. Um painel com mais chips de alta qualidade, como os da Samsung, garantirá uma eficiência maior e um cultivo mais bem-sucedido.

Lembre-se: a eficiência do painel não é apenas uma questão de potência, mas também de como essa potência é utilizada. A quantidade e a qualidade dos chips são fundamentais para um painel de LED que atenda às suas necessidades e forneça o melhor ambiente possível para o seu cultivo.

Eficiência dos Chips: mentiras mais comuns

Eficiência de 3,1 umol/J:

Esse é um pequeno detalhe que pode passar despercebido por muitos compradores, mas é usado por algumas lojas grandes para enganar os consumidores. A eficiência de 3,1 umol/J refere-se à eficiência do chip trabalhando no limite máximo, e, de fato, o Chip Samsung LM301H pode alcançar essa eficiência. No entanto, a eficiência real da Quantum Board é bem diferente disso.

Por exemplo, mesmo com o chip LM301H tendo a eficiência de 3,1 umol/J , ele não trabalha nessa corrente. A eficiência média de uma Quantum Board com Chip LM301H fica em torno de 2,6 umol/J. Para alcançar 3,1 umol/J, você precisaria de quase o dobro do número de chips. 

O motivo das Quantum Boards trabalharem em uma corrente menor é devido à otimização do produto, que funciona melhor e de forma mais eficiente. Portanto, é essencial entender que o seu painel pode não trabalhar com a eficiência anunciada, seja por enganação do vendedor ou até mesmo por desconhecimento. E sejamos sinceros, você não quer comprar de um vendedor que não sabe o que está vendendo!

Chip LM301H vendido como Chip LM301H EVO:

O Chip Samsung LM301H EVO é outro ponto de atenção. Esse chip ainda não está sendo comercializado para o Brasil, e poucos fornecedores têm acesso a ele. Ele é apenas 1,29% mais eficiente do que o LM301H, mas é cerca de 25% mais caro. 

Se você encontrar alguém vendendo esse chip, fique de olho. Como essa pessoa tem acesso a esse chip e vende a um preço tão baixo? Grandes varejistas internacionais ainda nem o utilizam. Essa discrepância pode ser um sinal de que o produto não é o que parece. Essa técnica também funciona muito pois o acréscimo na eficiência é imperceptível pro usuário e os chips não tem nenhuma diferença física.

Chip LM301B vendido como Chip LM301H:

Existem muitos golpes desse tipo nas lojas brasileiras. Outra enganação muito comum é a venda de Chips LM301B como se fossem Chips LM301H, pois visualmente eles também são iguais. Então se atente muito no preço! O produto está barato demais ? Fique ligado, pois tem algo de suspeito aí.


Problemas com Painéis de LED: potência enganosa

Ao navegar pelos produtos mais vendidos de Quantum Boards no Mercado Livre ou na Aliexpress, você pode se deparar com números impressionantes de potência, como 1200W ou 600W. Esses números elevados podem parecer atraentes à primeira vista, mas uma análise mais detalhada revela uma realidade preocupante.

Ao clicar nos anúncios, você pode encontrar informações como:

  • “Consumo de energia real: 100W – Eficiência luminosa: 1200W.”
  • “Consumo de energia real: 65W – Eficiência luminosa: 650W.”

Além disso, é possível achar Quantum Boards anunciadas com “X” potência, sendo que o Driver de Energia tem potência menor do que “X”. Isso significa que o produto não alcança o potencial que afirma ter.

Essas declarações são não apenas confusas, mas também enganosas. A potência real do produto é o consumo de energia, e é esse número que deve ser considerado ao avaliar a adequação do painel para o seu cultivo. A utilização de termos como “eficiência luminosa” com valores inflados é uma tática usada para fazer o produto parecer mais poderoso do que realmente é.

Mas por que essa prática é tão comum? A resposta é simples: para enganar o consumidor. Ao inflar artificialmente a potência, os vendedores tentam fazer com que o produto pareça uma oferta melhor, dando a impressão de que você está obtendo mais por menos.

Essa tática não é apenas injusta, mas também prejudicial. Muitos cultivadores, especialmente aqueles que são novos no campo, podem ser facilmente enganados por essas afirmações e acabam comprando um produto que não atende às suas necessidades. A quebra de expectativa que resulta dessa prática pode ser desanimadora e cara.

Aqui na Cultlight, nós acreditamos na transparência e na honestidade. Cansamos de auxiliar clientes que foram vítimas dessa tática, pensando que estavam comprando um painel de LED 2000W quando, na realidade, estavam recebendo apenas 50W. É por isso que enfatizamos a importância de entender a verdadeira potência de um produto e de comprar de vendedores confiáveis que forneçam informações precisas e claras.

Ao comprar um painel de LED para o seu cultivo, não se deixe levar por números inflados. Procure a potência real e certifique-se de que ela atenda às suas necessidades. A informação correta é a chave para uma compra bem-sucedida e um cultivo próspero.


Problemas com a Garantia do Produto

Ao avaliar painéis de LED para cultivo indoor, a garantia oferecida pelo vendedor é um indicador crucial da confiança que eles têm em seus produtos. É aqui que muitos consumidores podem ser pegos de surpresa.

Na comparação que fizemos entre a garantia da Quantum Board da Cultlight, de 3 anos, com outra Quantum Board vendida no mercado, foi possível observar que o produto do concorrente possui curta garantia, de somente 1 ano. Isso levanta uma questão importante: como produtos que afirmam ter “vida útil tão elevada, alta eficiência e boas peças” podem oferecer garantias tão baixas?

Essas garantias curtas podem ser um sinal de alerta. Produtos de alta qualidade, especialmente aqueles com componentes avançados e eficientes, geralmente vêm com garantias mais longas. A garantia reflete a confiança do fabricante na durabilidade e no desempenho do produto. Volta e meia nossos clientes relatam as aventuras comprando produtos de outras marcas…

Se você se deparar com um painel de LED que oferece uma garantia excepcionalmente curta, considere isso um sinal de que o vendedor pode não estar totalmente confiante na qualidade do produto. Pode ser um indicativo de que os componentes são de baixa qualidade ou que o produto não foi testado adequadamente.

A garantia é mais do que apenas uma promessa de substituição ou reparo: é uma declaração de qualidade e confiabilidade. Já nos deparamos com DEZENAS de clientes com produtos quebrados do qual o vendedor não sabia prestar a devida manutenção ou simplesmente se recusou em substituir o produto e consertar as peças.

Ao comprar uma Quantum Board para o seu cultivo, não ignore a garantia. Fique atento a garantias curtas e o que elas podem indicar sobre o produto. Investir em um painel com uma garantia robusta e de um fornecedor confiável pode economizar muita dor de cabeça no futuro e garantir que você tenha um produto que atenda às suas necessidades a longo prazo.

A seguir, você pode ver algumas das mensagens que recebemos de nossos clientes satisfeitos com nossos produtos e nosso atendimento personalizado:


Quantum Board com Imperfeições: 3 erros comuns que atrapalham a qualidade

Ao escolher um painel de LED para o cultivo indoor, é essencial estar atento a pequenas imperfeições que podem ter um impacto significativo na eficiência e na vida útil do produto. Aqui estão as três imperfeições mais comuns que podem atrapalhar seu grow:

1. Driver Grudado na Placa de Iluminação

A localização do driver em relação à placa é crucial para o desempenho do painel. Os drivers da Mean Well, por exemplo, têm uma temperatura de operação que varia de 40 a 80 graus, isso sem contar o calor que os LEDs emitem (que é pouco mas, mesmo assim, faz parte da conta). Ter um equipamento tão quente como o Driver grudado na placa de iluminação com os chips pode:

  • Aquecer todo o sistema: aumenta a temperatura interna de toda a Quantum Board, o que pode diminuir gravemente a vida útil das peças.
  • Deixar o calor dentro do grow: pode afetar negativamente o ambiente de cultivo, prejudicando o crescimento das plantas.

2. Cabos Curtos e Falta de Dissipação

A gestão adequada dos cabos e a dissipação de calor são vitais para o funcionamento eficiente de um painel de LED. Aqui estão os problemas comuns:

  • Cabos Curtos: ter cabos curtos limita a capacidade de tirar o Driver da estufa, o que é necessário para manter o ambiente em uma temperatura adequada.
  • Falta de Dissipação: ter um produto de alta potência como o Driver de Energia sem dissipador de calor e ainda por cima grudado na placa de iluminação pode levar a problemas de superaquecimento e reduzir a eficiência do painel.

3. Design Inadequado: potência concentrada e coolers

O design do painel também desempenha um papel crucial na sua eficácia. Alguns erros comuns incluem:

  • Potência Concentrada em uma Só Placa: painéis longos de 240W, por exemplo, trabalham em alta temperatura e não são muito desejáveis. A luz fica intensa demais em uma pequena área e não espalha bem no grow.
  • Uso de Coolers: embora os coolers possam esfriar a placa, eles têm uma vida útil muito menor, são barulhentos e requerem manutenção constante.
  • Estrutura Inadequada: ter toda a estrutura na placa, incluindo drivers, cabos curtos e sem nenhum tipo de dissipação, pode levar a problemas de eficiência e durabilidade.

Ao escolher um painel de LED para o seu cultivo indoor, é essencial estar ciente dessas imperfeições e evitar produtos que as apresentem. Esses erros aparentemente menores podem ter um impacto significativo na eficiência, na vida útil e no sucesso geral do seu cultivo.

Investir em um produto de qualidade, com um design bem pensado e componentes de alta qualidade, garantirá que você obtenha o melhor desempenho possível do seu painel de LED. Não comprometa a qualidade do seu cultivo escolhendo produtos inferiores que apresentem essas falhas.


Considerações Finais sobre LED Quantum Board

A jornada através do mundo das Quantum Boards e da iluminação para cultivo indoor é vasta e complexa. Neste guia abrangente, exploramos todos os aspectos essenciais que um cultivador, seja ele iniciante ou profissional, precisa conhecer para tomar decisões informadas.

Desde a compreensão básica do que é uma Quantum Board e uma LED Bar, até as comparações detalhadas com outras tecnologias, este guia oferece uma visão completa das opções disponíveis. Avaliamos os equipamentos profissionalmente, considerando fatores como chips, eficiência, drivers, dissipadores de calor, acessórios, garantia e certificações de qualidade.

A ciência da iluminação foi explorada com informações atualizadas até 2023, incluindo insights sobre o melhor espectro para cultivo indoor, intensidade luminosa, distância da lâmpada para a planta e a eficácia de diferentes tipos de chips.

Além disso, abordamos detalhes práticos como o consumo de energia, a instalação de Quantum Boards e LED Bars, a área de cobertura e o número de plantas. Também enfatizamos os cuidados especiais ao comprar seu painel, incluindo como identificar produtos falsificados ou de baixa qualidade.

Em suma, este guia é um recurso completo para qualquer pessoa envolvida no cultivo indoor. Ele destila anos de conhecimento e experiência em um formato acessível, ajudando você a fazer escolhas inteligentes que maximizam a eficiência, a produtividade e a qualidade do seu cultivo.

A iluminação é um dos pilares do sucesso no cultivo indoor, e esperamos que este guia ilumine seu caminho para um cultivo próspero e recompensador. Não hesite em revisitar estas páginas sempre que tiver dúvidas ou precisar de orientação. Afinal, o conhecimento é a chave para o sucesso, e estamos aqui para apoiar sua jornada de cultivo.

Este foi o “Guia de Iluminação para Cultivo Indoor: tudo sobre Quantum Board”, produzido especialmente pela Cultlight para democratizar o acesso responsável à informações relativas à iluminação cultivo de cannabis. Nós acreditamos que o uso de maconha medicinal e recreativa se tornará cada vez mais comum em um mundo globalizado, mas não vamos ficar parados esperando que alguém tenha a boa vontade de ajudar a comunidade brasileira.

Além desse gigantesco guia, você pode se inscrever para receber o PDF do nosso E-book gratuito ensinando as melhores dicas sobre grow de maconha!

Sobre o Autor:

Meu nome é Carlos Eduardo, paciente de Cannabis Medicinal e sócio fundador da Cultlight, empresa especializada em iluminação para horticultura e cultivo indoor. Pra quem já me conhece do Instagram ou do YouTube, eu sou o Cadu da Cultlight. Sou Engenheiro de Produção formado na Universidade Federal Fluminense (UFF), onde pesquiso sobre de Cannabis, cultivo, produção e autoprodução, principalmente com o foco medicinal. Te convido a acompanhar nossos conteúdos nas redes sociais para ter acesso a mais dicas e conteúdos técnicos gratuitos sobre cultivo de maconha!

Se você ainda possui alguma dúvida sobre cultivo de cannabis, por mais simples e básica que pareça ser, não hesite em entrar em contato com a Cultlight, nós faremos o possível para te ajudar ao longo de todo o caminho.

Chama lá!

+55 21 968731570

4 pensamentos sobre “Guia de Iluminação para Cultivo Indoor: tudo sobre Quantum Board

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *