Benefícios da Cannabis

Maconha no Esporte para Atletas Amadores e de Alta Performance

Anilha de academia em segundo plano com remédio tópico de CBD em primeiro plano.

Ultimamente tem sido muito comum ver atletas de alta performance falando abertamente sobre maconha no esporte, especificamente, sobre o uso de derivados de cannabis, principalmente o canabidiol, um dos canabinóides presentes na planta, conhecido como CBD. 

Isso aconteceu devido à retirada do CBD da lista de substâncias proibidas pela Agência Mundial Antidoping (em inglês: World Anti-Doping Agency, WADA) em 2018. Esse foi um grande salto para a cena canábica, pois evidências mostram um aumento exponencial de atletas utilizando o CBD e relatando melhorias na sua perfomance.

Legenda: Óleo de CBD

É importante dizer que o cenário legal do uso do CBD tem variações nas leis de cada cidade, estado ou país. Para utilização do CBD no Brasil é necessário um laudo médico especializado, declaração de responsabilidade, formulário de importação (caso decida importar) ou se juntar a uma associação autorizada para comercialização de óleos medicinais o DR. HEMP.

Temos um artigo sobre Habeas corpus preventivo e o cultivo de Cannabis medicinal aqui no Blog.

Legenda: Dr. Hemp – Consultas/ Associação Canábica

Propriedades Medicinais da Cannabis

A maconha é amplamente utilizada para fins medicinais e recreativos em escala global. Nos últimos anos houve um crescente número de estudos e pesquisas que analisam os efeitos psicoativos e medicinais da Cannabis Sativa.

Esses estudos têm demonstrado o grande potencial medicinal de diversas substâncias presentes na planta, indicados para o tratamento de diversas enfermidades, como epilepsias, câncer, dor crônica, ansiedade, autismo e depressão.

THC

As investigações e pesquisas do consumo da flor inteira e do THC geralmente mostram efeitos nulos ou prejudiciais no desempenho do exercício, faltam estudos com maior rigor científico, amostragem maior e validade suficiente para declarar conclusivamente o potencial do uso em atletas.

A capacidade do THC de perturbar a homeostase cardiovascular justifica uma pesquisa mais profunda sobre os mecanismos que afetam o desempenho para diferentes esportes e demandas. Com a recente liberação do CBD e da Cannabis recreativa em grandes países, como EUA e Canadá, é muito provável que dezenas de estudos sobre o tema estejam sendo feitos nesse exato momento.

Legenda: Nate Diaz, atleta de MMA famoso por seu uso explícito de cannabis

Uso do CBD no esporte

Agora, sim, vamos falar da substância canábica mais utilizada em atletas de qualquer esporte, o CBD.

Redução da dor e da inflamação

O CBD pode ser uma adição positiva para o regime de treinamento de todos atletas por diversos motivos. Ao interagir especificamente com os receptores CB1 e CB2 dentro do sistema endocanabinóide, o CBD pode ajudar a reduzir a dor e a inflamação associadas a lesões ou irritações provenientes dos treinos. Para os atletas, isso pode levar a um período de recuperação mais curto com maior conforto.  

O CBD para atletas é comumente consumido por métodos sublinguais, como óleo ou tintura, bem como aplicado topicamente com um creme ou loção. 

Redução do Stress

O CBD também traz benefícios à mente. Muitos atletas podem ficar muito estressados ​​antes de um jogo importante ou grande evento. E sabemos que o estresse pode afetar negativamente o desempenho, por isso, pode ser uma opção para mitigar esse problema.

Para gerenciar o estresse do dia do jogo, bem como a preparação, o CBD é uma ótima alternativa natural.

Legenda: Jogador do Boston Celtics – NBA

Diversos estudos mostram que os usuários de CBD, até mesmo de doses baixas, enxergam melhorias no stress diário, problemas de sono e ansiedade.

Melhoria do Sono

Da mesma forma, após sessões de treino intensas, é importante que atletas e pessoas durmam adequadamente, para que o corpo tenha tempo para se curar sozinho. Um dia cansativo normalmente deve colocar um atleta para dormir facilmente, mas problemas de sono pré-existentes ou níveis elevados de estresse podem atrapalhar o sono.

O CBD interage com o sistema endocanabinóide para regular o humor e o sono, ajudando você a se manter ativo durante o dia e dormir bem à noite.

Função como neuroprotetor

Em 1997, o governo dos EUA patenteou o CBD como um neuroprotetor e antioxidante afirmando, entre outras coisas, que “os canabinóides têm aplicação particular como neuroprotetores, por exemplo, na limitação de danos neurológicos como acidente vascular cerebral (AVC) e trauma, ou no tratamento de doenças neurodegenerativas, como doença de Alzheimer, doença de Parkinson e demência por HIV”. Isso ainda tem que ser comprovado cientificamente com mais estudos, porém é um ótimo indício.

Como neuroprotetor, o CBD poderia ajudar a reduzir os danos ao cérebro e ao sistema nervoso. Essencialmente, o óleo CBD para lutadores de MMA poderia proteger contra danos cerebrais e melhorar a recuperação, uma das maiores preocupações entre os lutadores de MMA e esportes de combate.

Legenda: Lesão cerebral e tratamento com cannabis.

“A indicação médica se dá a partir de uma necessidade de tratamento. Um ponto importante para todos, especialmente para os atletas, é procurar por empresas sérias, qualificadas, que tenham um controle rígido de qualidade para não correr o risco de haver traços de THC, que ainda é considerado doping”, alerta o Dr. Pedro Alvarenga.

Uma pesquisa realizada no ano passado pelo vice-presidente sênior de Saúde e Desempenho do Atleta do UFC, Jeff Novitzky, mostrou que 80% de um total de 170 lutadores do maior evento de MMA do planeta usam o CBD para fins terapêuticos.

Redução do consumo de opiáceos e anti-inflamatórios

Dentro do rigoroso mundo do esporte de elite, os atletas são induzidos a treinar e disciplinar suas mentes e corpos. Consequentemente, vários atletas enfrentam danos musculares e lesões. Alguns desses sintomas se manifestam como dor muscular e irritação. Opiáceos e anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) são consumidos por atletas para recuperação muscular e controle da dor há décadas. No entanto, a prescrição de curto e longo prazo desses medicamentos tem efeitos colaterais graves, como dores de cabeça, náuseas, constipação, distúrbios do sono, lesão renal e gastrite. Por conta disso, existem evidências de muitos atletas optando por usar o CBD para lidar com o controle crônico dessas dores.

Conclusão e Atenção ESPECIAL para os atletas

Apenas o CBD foi removido da lista proibida. O THC, ainda é proibido em competição, assim como os canabinóides sintéticos. Se o seu óleo ou produto de CBD realmente conter uma quantidade significativa de THC, ou outra substância proibida, você corre o risco de uma violação de doping. Por isso, caberá ao atleta e sua equipe pesquisar e encontrar uma marca respeitável.

Com o que sabemos até o momento, o CBD pode oferecer bons benefícios e poucos riscos. Existe um grande potencial para melhorar o desempenho atlético, como na recuperação, funcionando como analgésico, anti-inflamatório e regulador do sono. E se conseguir que os atletas reduzam o consumo de AINEs, opioides e remédios para dormir prescritos, esses benefícios podem ser ainda maiores.

Deve ser informado aqui que o tratamento com canabinoides em atletas não é completamente aceito pela comunidade científica. Há evidências e diversos estudos que mostram possíveis benefícios do seu uso, assim como uma ampla coleção de relatos de usuários e pacientes que comunicaram essa melhora.

Porém, não há estudos suficientes com valor científico e epidemiológico (amostragens maiores, mais estudos e estudos duplo-cego randomizados) para que sejam criadas diretrizes e protocolos de tratamento de atletas com canabinoides.

A expectativa é que com a liberação da cannabis em diversos países, mais estudos e estudos de maior qualidade possam ser feitos para que essa área da Medicina do Esporte possa progredir. Não há dúvidas de que muitos estudos sobre esse assunto estão sendo feitos nesse exato momento

Se o tema maconha no esporte é do seu interesse, temos outro artigo que fala sobre a relação entre atletas da NBA e a maconha.

Sobre o Autor:

Meu nome é Carlos Eduardo, paciente de Cannabis Medicinal e sócio fundador da Cultlight, empresa especializada em iluminação para horticultura e cultivo indoor. Pra quem já me conhece do Instagram ou do YouTube, eu sou o Cadu da Cultlight. Sou Engenheiro de Produção formado na Universidade Federal Fluminense (UFF), onde pesquiso sobre de Cannabis, cultivo, produção e autoprodução, principalmente com o foco medicinal. Te convido a acompanhar nossos conteúdos nas redes sociais para ter acesso a mais dicas e conteúdos técnicos gratuitos sobre cultivo de maconha!

Se você ainda possui alguma dúvida sobre cultivo de cannabis, por mais simples e básica que pareça ser, não hesite em entrar em contato com a Cultlight, nós faremos o possível para te ajudar ao longo de todo o caminho.

Chama lá!

+55 21 968731570

Estudos e Referências

  1. Booz, George W. “Cannabidiol as an Emergent Therapeutic Strategy for Lessening the Impact of Inflammation on Oxidative Stress.” Free Radical Biology and Medicine, vol. 51, no. 5, 2011, pp. 1054–1061., doi:10.1016/j.freeradbiomed.2011.01.007.
  2. Elman, Igor, and Scott E. Lukas. “Effects of Cortisol and Cocaine on Plasma Prolactin and Growth Hormone Levels in Cocaine-Dependent Volunteers.” Addictive Behaviors, vol. 30, no. 4, 2005, pp. 859–864., doi:10.1016/j.addbeh.2004.08.019.
  3. Filippis, Daniele De, et al. “Cannabidiol Reduces Intestinal Inflammation through the Control of Neuroimmune Axis.” PLoS ONE, vol. 6, no. 12, 2011, doi:10.1371/journal.pone.0028159.
  4. Gorzalka, Boris B., et al. “Regulation of Endocannabinoid Signaling by Stress: Implications for Stress-Related Affective Disorders.” Neuroscience & Biobehavioral Reviews, vol. 32, no. 6, 2008, pp. 1152–1160., doi:10.1016/j.neubiorev.2008.03.004.
  5. Halawa, Omar I., et al. “Role of Cannabinoids in Pain Management.” Essentials of Pain Medicine, 2018, doi:10.1016/b978-0-323-40196-8.00056-5.
  6. Hammell, D.c., et al. “Transdermal Cannabidiol Reduces Inflammation and Pain-Related Behaviours in a Rat Model of Arthritis.” European Journal of Pain, vol. 20, no. 6, 2015, pp. 936–948., doi:10.1002/ejp.818.
  7. Murillo-Rodriguez, Eric, et al. “Anandamide Enhances Extracellular Levels of Adenosine and Induces Sleep: An In Vivo Microdialysis Study.” Sleep, vol. 26, no. 8, 2003, pp. 943–947., doi:10.1093/sleep/26.8.943.
  8. Nagarkatti, Prakash, et al. “Cannabinoids as Novel Anti-Inflammatory Drugs.” Future Medicinal Chemistry, vol. 1, no. 7, 2009, pp. 1333–1349., doi:10.4155/fmc.09.93.
  9. Pacher, P. “The Endocannabinoid System as an Emerging Target of Pharmacotherapy.” Pharmacological Reviews, vol. 58, no. 3, 2006, pp. 389–462., doi:10.1124/pr.58.3.2.
  10. Patricia H. Reggio, “ Endocannabinoid Binding to the Cannabinoid Receptors: What Is Known and What Remains Unknown”, Current Medicinal Chemistry (2010) 17: 1468. https://doi.org/10.2174/092986710790980005
  11. Xiong, Wei, et al. “Cannabinoids Suppress Inflammatory and Neuropathic Pain by Targeting α3 Glycine Receptors.” The Journal of Experimental Medicine, vol. 209, no. 6, 2012, pp. 1121–1134., doi:10.1084/jem.20120242.

2 pensamentos sobre “Maconha no Esporte para Atletas Amadores e de Alta Performance

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *