Cultivo Orgânico, Dicas de Cultivo

Os Benefícios dos Ácidos Fúlvicos e Húmicos no Cultivo Indoor

No meio grower muito se fala sobre a utilização e os benefícios dos ácidos fúlvicos e húmicos no cultivo. Mas afinal, o que são esses ácidos? Existem comprovações dos benefícios ou é apenas mais um mito da comunidade canábica? Vamos abordar essas questões ao longo do artigo. 

O que são Ácidos Fúlvicos e Ácidos Húmicos?

As substâncias húmicas são oriundas da matéria orgânica, que quando decomposta, podem ser classificadas em ácido húmico (AH), ácido fúlvico (AF) e a humina. Essa divisão é classificada conforme a solubilidade dessas substâncias em meio alcalino e ácido.

Ácidos Fúlvicos

Os ácidos fúlvicos são aqueles materiais orgânicos solúveis em água em todos os valores de pH. 

Ácidos Húmicos

Os ácidos húmicos são aqueles materiais insolúveis em valores de pH ácidos (pH < 2), mas são solúveis em valores de pH mais elevados. 

Humina

Humina é a fração de materiais orgânicos naturais insolúveis em água, em todos os valores de pH.

Como utilizar os ácidos fúlvicos e húmicos no cultivo?

Recomendamos que você use algum produto que contenha os dois porque ambos são essenciais para manter as plantas e raízes saudáveis. 

Um bom exemplo de produto é o Fuel da Organolab. Ele possui ácidos fúlvicos e húmicos, além de ser produzido com os seguintes inóculos selecionados de: Bacillos, Actinomicetos, Leveduras e Bactérias Fotossintetizantes.

O uso de um deles não trará benefícios completos às plantas, pois os dois ácidos trabalham em harmonia. Por exemplo, o ácido fúlvico é o composto quelante orgânico mais eficaz que pode quelar mais nutrientes nas formas disponíveis para as plantas absorverem. Por outro lado, o ácido húmico pode melhorar a estrutura do solo para reter mais água e nutrientes.

Porém, é importante citar que, os ácidos fúlvicos são mais ativos que os ácidos húmicos devido ao seu teor de oxigênio que é quase o dobro da quantidade de ácido húmico.

O ácido fúlvico é o composto quelante orgânico mais eficaz e pode ser utilizado através de aplicação foliar devido ao seu pequeno tamanho molecular e carga elétrica que a planta pode absorver imediatamente

Formação dos ácidos fúlvicos e húmicos

Os ácidos fúlvicos e húmicos são oriundos de turfas, sedimentos, solo e água, podem ter composição variada, apresentam uma grande variedade de nutrientes e podem ser complementados com macro e/ou micronutrientes.

Esses ácidos são resultantes da degradação microbiana da matéria orgânica nos solos, conhecida como húmus. O húmus, por exemplo, contém ácido húmico e fúlvico. 

Quer fazer chá de húmos? A gente te ensina a fazer esse fertilizante incrível.

Benefícios e Funções 

Essas moléculas também são consideradas condicionadores de solo, pois trazem benefícios para a estrutura física, química e biológica do solo. 

Elas apresentam um potencial de ação biorregulador e bioativador, interferindo em processos morfológicos e fisiolóligos das plantas, aumentando a absorção de íons e alterando o transporte iônico. Além disso, atuam em enzimas metabólicas capazes de afetar o metabolismo secundário, despertando mecanismos de defesa da planta para ela enfrentar melhor as condições adversas do ambiente.

As moléculas fúlvicas, por exemplo, ligam minerais no solo criando fulvatos, elas também existem em um estado de forma livre, o que significa um ácido que não possui mineral ligado.

As melhorias na estrutura física ocorrem por causa da maior retenção de água, aumento da aeração e melhor agregação das partículas coloidais que aumentam a resistência à erosão. Elas também atuam na redução das variações do pH do solo. Dessa forma, proporcionam condições ideais para o desenvolvimento e manutenção da microbiota do solo

Estudos

Estudos realizados comprovaram que os ácidos fúlvicos e húmicos promovem o aumento da biomassa e o tamanho de raízes, induz o crescimento de raízes laterais e pêlos radiculares, permitindo que a planta explore melhor o perfil do solo e tenha mais condições de sobreviver em caso de déficit hídrico.

Conforme podemos ver nos testes realizados abaixo, houve o efeito linear para número de pontas, ramificações e bifurcações com incremento de 68%, 80% e 63%, respectivamente. Ou seja, a utilização de ácidos fúlvicos e húmicos trouxe um resultado diretamente proporcional na estrutura e ramificações das plantas.

Além de ser fundamental para a sustentação da planta, também contém nutrientes, energia, proteínas, minerais e vitaminas. Esse material ao se decompor também fornece matéria orgânica ao solo.

Podemos ver como uma única aplicação pode chegar a quase dobrar o volume de matéria seca de raízes, ou seja, aumentar muito o potencial de crescimento das plantas.

As trocas gasosas apresentaram incremento linear na taxa fotossintética. Isso significa que as plantas tratados com esses ácidos tinham um maior nível de transpiração, um maior nível de condutância estomática e se mostraram mais eficientes no uso da água.

Já outro estudo realizado na China focou no efeito da aplicação foliar de ácido fúlvico no uso de água, absorção de nutrientes e rendimento em trigo. Demonstraram que durante o desenvolvimento da espiga,  o AF foi usado para diminuir o estresse hídrico e o estresse imposto por ventos quentes e secos durante. Com isso, o rendimento de grãos aumentou em 7,3-18,0%.

Conclusão

Outro fato importante é que não se conseguiu identificar se essa absorção é da estrutura completa ou somente parte fragmentada por microorganismos. Então recomendamos a utilização desses ácidos com microorganismos eficientes para garantir sua efetividade. É outro motivo que faz com que nós gostemos bastante do Fuel da Organo, porque ele contém  bactérias e leveduras selecionados inoculados (Bacillus Subtitles, Pulmillus, Amyloliquefaciens, Azospirillum brasilense, Saccharomyces cerevisiae, Yarrowia lipolytica).

Sendo assim, podemos concluir que ainda há muito a ser estudado sobre os mecanismos dos ácidos húmicos e fúlvicos nas plantas. Vimos que esses ácidos podem induzir o crescimento das raízes e o aumento da produtividade com apenas uma aplicação, então, mesmo não tendo estudos focados para a Cannabis no momento, vale o teste e a utilização.

Sobre o Autor:

Meu nome é Carlos Eduardo, paciente de Cannabis Medicinal e sócio fundador da Cultlight, empresa especializada em iluminação para horticultura e cultivo indoor. Pra quem já me conhece do Instagram ou do YouTube, eu sou o Cadu da Cultlight. Sou Engenheiro de Produção formado na Universidade Federal Fluminense (UFF), onde pesquiso sobre de Cannabis, cultivo, produção e autoprodução, principalmente com o foco medicinal. Te convido a acompanhar nossos conteúdos nas redes sociais para ter acesso a mais dicas e conteúdos técnicos gratuitos sobre cultivo de maconha!

Se você ainda possui alguma dúvida sobre cultivo de cannabis, por mais simples e básica que pareça ser, não hesite em entrar em contato com a Cultlight, nós faremos o possível para te ajudar ao longo de todo o caminho.

Chama lá!

+55 21 968731570

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *